A primeira detective do Botswana reflecte sobre a sala de partos…

Mma Ramotswe was given to philosophical speculation, but only up to a point. Such questions were undoubtedly challenging, but they tended to lead to further questions which simply could not be answered. And at that point one ended up, as often as not, having to accept that things are as they are simply because that is the way they are. So everybody knew, for instance, that it was wrong for a man to be too close to a place where a woman is giving birth. That was something which was so obvious that it hardly needed to be stated. But then there were these remarkable ideas in other countries that suggested that men should actually attend the birth of their children. When Mma Ramotswe read about that in a magazine, her breath was taken away. But then she had asked herself why a father should not see his child being born, so that he could welcome it into the world and share the joy of the occasion, and she had found it dufficult to find a reason. That is not to say it was not wrong – there was no question that it was profoundly wrong for a man to be there – but how could one justify the prohibition? Ultimately the answer must be that it was wrong because the old Botswana morality said that it was wrong, and the old Botswana morality, as everyone knew, was so plainly right. It just felt right.

Alexander McCall Smith, “Tears of the Giraffe” [pág. 17]. Londres: Abacus, 2003

Capa protectora “Soft Cap” para a Maxi-Cosi Tobi

As cadeiras auto Maxi-Cosi são sinónimo de segurança e conforto. A Maxi-Cosi preocupa-se continuamente com o melhoramento dos seus produtos e, por isso, oferece uma capa protectora grátis para melhorar a sua Maxi-Cosi Tobi.

Porquê uma capa protectora GRÁTIS?
Restos de alimentos, bolachas e rebuçados, pequenos objectos como botões, ganchos de cabelo ou peças de brinquedos podem introduzir-se na abertura do fecho do cinto. No manual de instruções de utilização está indicado que deve sempre manter limpos o fecho do cinto e o sistema do cinto de segurança. A capa protectora grátis facilita manter esses componentes limpos.

Os utilizadores nem sempre estão conscientes dessa situação dado que o mecanismo não é visível. A sujidade, que se pode acumular gradualmente, pode resultar em obstrução do mecanismo subjacente.

A capa protectora foi especialmente concebida para a Maxi-Cosi Tobi. Esta capa não é necessária para os outros modelos de cadeiras auto Maxi-Cosi. A partir de agora todas as cadeiras auto Maxi-Cosi Tobi serão fornecidas com a capa protectora.

Antroponímia – Porciana ou Nereida?

Encontrar o nome certo não é tarefa fácil. Muitas vezes procura-se um nome consensual que agrade a toda a família mas rapidamente se descobre que um tio-avô já tinha esse mesmo nome e… Tem de se recomeçar do zero, pois o outro ramo da família também quer ter voto na matéria.
Mas os nomes que se dão aos bebés vão-se alterando e se há ciclos em que se retorna a nomes clássicos e até em desuso em gerações anteriores, também é verdade que cada vez mais se dá azo à criatividade e vão surgindo novos nomes, impensáveis há alguns anos atrás.
Vem isto a propósito do artigo de hoje do “colunista conservador” do New York Times David Brooks: “Goodbye, George and John”. David Brooks elogia o blog de Laura Wattenberg – The Baby Name Wizard – e descreve algumas das curiosidades do universo da “nomerologia” (nos E.U.A.):
– Indivíduos com o nome Louis têm uma probabilidade maior de viver em St. Louis;
– Em 1880 apenas 10 nomes – William, John, Mary, George, etc. – representavam 20 por cento de todos os bebés. Actualmente esses mesmos nomes representam apenas dois por cento de todos os bebés dos E.U.A.
– Em 1880 a maioria dos nomes de rapazes acabava em E, N, D e S. Em 2006 uma larguíssima percentagem de nomes de rapazes terminava na letra N.
– No final do séc. XIX os nomes dos bebés reflectiam, por vezes, posições ou profissões de prestígio – King, Lawyer, Author e Admiral. Actualmente as crianças terão mais provavelmente nomes de profissões obsoletas, tais como: Cooper (tanoeiro), Carter (carreteiro) ou Mason (pedreiro).
– Há também um retorno a formas antigas de nomes (William em vez de Bill) e a nomes que tenham uma patine de antiguidade (Hannah, Abigail, Madeline, Caleb and Oliver).
– Cada vez mais a presença de diferentes origens culturais é mais notória e o núcleo outrora todo-poderoso de nomes de raiz anglo-saxónica tende a desvanecer-se.
Em Portugal é mais difícil avaliar as tendências, porque os registos são feitos a nível local e não há um levantamento dos nomes próprios mais escolhidos pelos portugueses. Notam-se algumas alterações induzidas pelos recentes fluxos migratórios e algumas modas associadas a fenómenos televisivos e a figuras do desporto ou do espectáculo. Contudo, a criatividade em Portugal é, em grande medida, coarctada pela existência de listas de vocábulos admitidos ou não admitidos como nomes próprios (à semelhança do que se passa na Dinamarca, França e Alemanha).
Em Portugal a filha de Frank Zappa nunca poderia ter sido registada como Moon Unit, nem a filha de Bob Geldof como Fifi Trixibelle e muito menos simplesmente Apple, como a filha de Gwyneth Paltrow.
Em Portugal o processo de atribuição de nome próprio é regulado principalmente pelo artigo 103.º do Código do Registo Civil. Entre outras condições, refira-se que “o nome completo deve compor-se, no máximo, de seis vocábulos gramaticais, simples ou compostos, dos quais só dois podem corresponder ao nome próprio e quatro a apelido”. Se estava a pensar em registar o seu bebé com um nome majestosamente quilométrico, desengane-se.
Vale a pena citar um artigo de Leonel Moura no Jornal de Negócios: “Mas que mal tem eu dar um nome qualquer ao meu filho? Quem pode sentir-se prejudicado com isso? A não ser talvez o próprio, embora isso seja do foro familiar e na verdade quantos serão aqueles que detestam o nome normalizado que lhes foi dado? Cabe na cabeça alguém chamar-se Isaltino?”
Em Portugal, anualmente, apenas chegam à Conservatória de Registos Centrais entre 30 a 40 pedidos de nomes invulgares, o que não é muito expressivo.
Segundo Ivo Castro, professor de Linguística na Universidade de Lisboa : “Nos últimos cinquenta anos (únicos de que há estatísticas), não houve mais de 4.000 reclamações contra a recusa oficial do nome que os pais queriam atribuir aos filhos. Como muitos destes nomes eram gritantemente disparatados, por vezes mesmo desrespeitadores da dignidade da criança a nomear, ficou automaticamente respondida e desautorizada a contestação que os tomou por pretexto.”
A existência destas listas leva todavia a algumas incongruências. A título de exemplo, Nereida (qualquer uma das 50 ninfas dos mares, filhas do deus grego Nereu) não é aceite mas a Direcção-Geral dos Registos e do Notariado aceita, por exemplo, como nomes próprios: Ninfa, Boanerges, Deusdedito, Engelécia, Felicíssimo, Gamaliel, Habacuque, Matusalém, Ocridalina, Parcídio, Torpécia, Ursiciana, Viveque ou Zardilaque.
Por outro lado a existência destas listas protege de facto os bebés de algumas opções mais obtusas. Devido à inexistência de listas, na Venezuela há bebés com nomes tão “bizarros” como Nixon, Estaline, ou mesmo Hitler. O Brasil também é conhecido pela liberdade no registo de nomes. Ivo Castro dá o seguinte exemplo: “ao passo que no Brasil é possível encontrar senhoras chamadas Rosemary, Rosemeire, Rosemere, Rosemery, Rosimeire, Rosimere, Rosimeri, Rozemeire, tudo variantes do mesmo nome inglês, em Portugal todas elas teriam de se chamar Rosa Maria, porque nem Rosamaria poderia ser aceite como nome português.”
Nos E.U.A. o absurdo chega ao ponto de alguns pais darem o nome de um casino aos filhos para assim ganharem algum dinheiro – foi o caso de GoldenPalaceDotCom Silverman, cujos pais ganharam $15,000.
Perante tais desvarios a existência de um técnico em onomástica, na Conservatória dos Registos Centrais, que laboriosamente emite os seus pareceres sobre a admissibilidade de Ovídio e Porciana e a inadmissibilidade de Nereida e Idalécio, parece parcialmente justificada.

Para desfazer dúvidas, as listas de nomes podem ser consultadas na página da Direcção-Geral dos Registos e do Notariado (http//www.dgrn.mj.pt).