Excesso de gorduras hidrogenadas na gravidez pode aumentar risco de morte do feto

«Além dos muitos malefícios para a saúde cardiovascular, as gorduras hidrogenadas (ou gorduras trans) podem também aumentar os riscos de morte fetal durante a gravidez, segundo um estudo publicado na revista “Fertility and Sterility”.

O estudo, liderado por Charles J. Glueck, do Jewish Hospital Cholesterol Center in Cincinnati, Ohio, avaliou 104 mulheres que tiveram pelo menos uma gravidez durante 25 a 30 anos de acompanhamento. Foi verificado que a taxa de perda do feto aumenta de 30% em mulheres com menor consumo de gordura trans (2,2% do total de calorias) para 52% em mulheres com maior ingestão dessas gorduras (47% do total de calorias).

[…] De acordo com os investigadores são necessários estudos complementares para confirmar a ligação entre a perda fetal e a ingestão destas gorduras, mas, entretanto, aconselham as mulheres limitar a ingestão de gorduras trans durante a gravidez.

A gordura trans encontra-se sobretudo na comida tipo fast food, na comida pré-confeccionada, batatas fritas e alimentos folhados, bolachas, margarinas e cremes de barrar, molhos para saladas, bolos industriais, pipocas para confeccionar no microondas e outros. Estudos clínicos comprovaram que a esta gordura provoca um aumento dos níveis do “mau-colesterol“ (LDL) e uma redução dos níveis de “bom-colesterol” (HDL).»

Fonte: Saúde na Internet ,30/09/2008

Endometriose pode aumentar risco de cólon irritável e doença inflamatória pélvica

«As mulheres com endometriose apresentam um risco mais elevado de também sofrerem de síndrome de cólon irritável ou de doença inflamatória pélvica, segundo descobertas de um grande estudo conduzido no Reino Unido.

A Dra. Karen D. Ballard, da Universidade de Surrey, em Guildford, e colegas identificaram 5.540 mulheres, com idades entre os 15 e os 55 anos, que foram diagnosticadas com endometriose. Posteriormente, compararam estas pacientes a 21. 239 mulheres sem a doença para o controlo.

[…] Segundo os investigadores concluíram na edição de Outubro da “BJOG: An International Journal of Obstetrics and Gynaecology”, se houver doença inflamatória pélvica coexistente, então é necessário tratamento rigoroso para reduzir o risco ainda maior de subfertilidade.

A endometriose
A endometriose é uma doença dolorosa que afecta as mulheres durante os anos reprodutivos e que provoca o crescimento das placas de tecido endometrial que, normalmente, só se encontra no revestimento interno uterino (endométrio), fora do útero. Contudo, as causas da endometriose ainda não são conhecidas.

Em geral, a endometriose costuma afectar só o revestimento da cavidade abdominal ou a superfície dos órgãos abdominais. O tecido endometrial que cresce fora do lugar muitas vezes desenvolve-se sobre os ovários e os ligamentos que sustêm o útero.

[…] A Síndrome do Cólon Irritável
A Síndrome do Cólon Irritável, ou Cólon Irritável, é uma das doenças mais frequentes do tubo digestivo, que atinge cerca de 15 a 25 por cento da população do mundo ocidental.

Esta doença é uma situação crónica e benigna, que se caracteriza por desconforto ou dor abdominal e alteração do hábito intestinal (com obstipação, diarreia ou as duas situações em alternância).

A doença inflamatória pélvica
A doença inflamatória pélvica (salpingite) é uma inflamação das trompas de Falópio, geralmente causada por uma infecção. A inflamação das trompas de Falópio acontece sobretudo em mulheres sexualmente activas, sendo que aquelas que utilizam dispositivos intra-uterinos (DIU) estão especialmente expostas.

Normalmente, a infecção obstrui as trompas de Falópio que, em consequência, incham devido ao líquido retido no seu interior. Isto pode provocar dor crónica, hemorragia menstrual irregular e infertilidade.

A inflamação é o resultado de uma infecção bacteriana, que costuma começar na vagina e que se propaga ao útero e às trompas. Estas infecções raramente aparecem antes da primeira menstruação, depois da menopausa ou durante a gravidez.

Em geral, contraem-se durante as relações sexuais mas, por vezes, são provocadas pela chegada de bactérias às trompas durante um parto normal ou por um aborto, quer seja espontâneo, quer induzido.»

Fonte: Farmacia.com.pt, 22/10/2008