Cesarianas continuam a aumentar

[…] Cerca de 35% dos partos realizados no nosso país em 2007 foram cesarianas, um valor superior ao registado em 2001 (29,7%) e que coloca a taxa de nascimentos por cesariana na lista de indicadores do Plano Nacional de Saúde (PNS) 2004-2010 que ficam longe da meta (24,8%).

Uma tendência que, segundo Maria do Céu Machado, alta comissária para a Saúde, tem mais do que uma razão de ser. «A natalidade baixou, mas aumentaram as situações de risco, como a prematuridade, a gravidez em mulheres com mais de 35 anos ou resultante da procriação medicamente assistida», refere ao Destak.

A estes factos acrescenta-se a taxa de cesarianas nas maternidades privadas que, de acordo com a especialista, «é muito superior ao que existe no público».

Ao indicador dos partos juntam-se outros que, segundo o último ponto de situação feito pelo Alto Comissariado da Saúde – o qual o Destak analisou – estão longe do caminho desejado. É o que acontece com a taxa de crianças com baixo peso à nascença, que em 2007 foi 7,9, valor superior ao verificado em 2001 (7,2) e que se afasta da meta de 5,8.

[…] As taxas de mortalidade fetal, neonatal e infantil são motivos de orgulho em Portugal. De acordo com o último balanço, a meta nestes casos foi ultrapassada, assim como na redução de partos em adolescentes, que baixou de 5,9 em cada mil partos em 2001, para 4,5 no ano passado (a meta era de 5).»

Fonte: Destak, 28/10/2008 (Carla Marina Mendes | cmendes@destak.pt)

Óleo de linhaça pode aumentar risco de parto prematuro

«Investigadores canadianos revelaram que os riscos de parto prematuro quadruplicam se for consumido óleo de linhaça nos dois últimos trimestres da gravidez.
[…] A primeira parte da investigação estabeleceu que cerca de 10 por cento das mulheres, entre 1998 e 2003, utilizaram produtos naturais durante a gravidez. Entre os produtos naturais mais consumidos pelas grávidas encontram-se a camomila, utilizada por 19 por cento, o chá verde, consumido por 17 por cento, a hortelã-pimenta e o óleo de linhaça, ambos tomados por 12 por cento das grávidas.
Os investigadores compararam o consumo destes produtos a partos prematuros, tendo apenas um produto apresentado uma forte correlação, o óleo de linhaça.
De acordo com a Dra. Berard [da Faculdade de Farmácia da Universidade de Montreal e do Centro de Investigação do Hospital Sainte-Justine], na população geral, a taxa média de partos prematuros é de 2 a 3 por cento. Contudo, para as mulheres grávidas que consumem óleo de linhaça nos últimos dois trimestres de gestação a taxa sobe para 12 por cento, o que é um risco enorme, acrescentou a Dra. Berard.
A correlação apenas existiu com o óleo de linhaça, contudo, as mulheres que consumiram a semente em si não foram afectadas.»

Fonte: Portal de Farmácia e do Medicamento

Um planeta secreto de dor

«Não existem faixas rosa para usar se você sofreu um aborto espontâneo, nenhuma passeata ou camiseta para encorajar a conscientização e prevenção. E até onde temos uma linguagem para falar sobre o assunto, ela é repleta de frases superficiais: “Não se preocupe, eu também tive um”, ou “Eu tive dois, e então – puf – o Davey nasceu, e nesta semana ele está se formando na faculdade”. Mas, enquanto você pertence ao clube imaginário das Mulheres Sem Filhos, este é um planeta secreto de dor, praticamente invisível ao mundo externo.
Recentemente, sofri meu terceiro aborto espontâneo em um ano. Aconteceu cedo na gravidez, e foi descartado como nada grave – “gravidez química” parece ser o termo artístico. Não vamos reagir exageradamente, não há necessidade de histeria, bola pra frente.

[…] Entretanto, não sei o que você deve dizer a uma mulher que teve abortos espontâneos. Ao mesmo tempo em que pode ser emocionante ouvir histórias de outras mulheres, pode também ser irritante: faz com que nosso momento de extraordinária tristeza se torne comum e dentro da média. Por que eu iria querer ouvir sobre seu aborto quando estou deitada no chão tentando erguer 250 quilos de fracasso, desilusão e hormônios despedaçados em meu peito?
O que posso dizer é: quero que as pessoas saibam. Não quero que seja um segredo ou uma sombra, ou algo carregado individualmente. Quero que as pessoas saibam que eu passei por algo, que estou cansada mas otimista, que fui derrubada mas não me ajude, pois posso me levantar sozinha.
É justo, acho eu, querermos testemunhas para nosso sofrimento. Mas com o sofrimento também vem a esperança. E afinal de contas, somos criaturas flexíveis. Uma amiga minha disse-o muito bem, num e-mail enviado depois que soube de minhas novidades. “Espero que você não desista”, escreveu ela. “Ainda quero tirar uma foto de seu filho ao lado do mais alto girassol.”»

N. West Moss é escritora em Nova Jersey (EUA).

Fonte: Globo, 22/10/2008

Carrinhos de bebé vazios na Assembleia da República

A Associação Portuguesa de Fertilidade promoveu ontem uma manifestação, com carrinhos de bebé, em frente à Assembleia da República, com o objectivo de alertar o Governo para o atraso no apoio aos jovens casais, com problemas de infertilidade.

Outro vídeo sobre este tema em:

http://diario.iol.pt/sociedade/apf-infertilidade-fertilidade-assembleia-da-republica-sao-bento-portugal-diario/1007349-4071.html

Para saber mais: Associação Portuguesa de Fertilidade

Número de nascimentos está a aumentar este ano

«Especialistas dizem que é preciso esperar para ver se a tendência se confirma. Mas a quebra da natalidade foi parada, dizem os números.

Depois de dois anos consecutivos de quebra acentuada da natalidade – fenómeno que nos fez atingir mínimos históricos -, o número de nascimentos está a aumentar este ano. Mas é demasiado cedo para festejar, avisam os especialistas.

Primeiro os factos: até ao final de Setembro, o Instituto de Genética Médica Jacinto de Magalhães fez mais 2100 “testes do pezinho” do que no mesmo período de 2007. A manter-se esta tendência até ao final do ano, vamos poder dizer, com alívio, que este ano nasceram mais cerca de dois milhares de bebés, prevê, satisfeito, o presidente da Comissão Nacional do Diagnóstico Precoce, Rui Vaz Osório. […]»

Pode ler a notícia desenvolvida no Público.

Fonte: Público, 29.10.2008, Alexandra Campos