Novo carrinho de bengala MILA da Bébé Confort

imageMila – O carrinho bengala que simplifica a vida na cidade.

Mila_Chocomint Mila_grey_lemon Mila_oxygen_red

imageO primeiro carrinho bengala que se fecha sem precisar de se baixar.
O Mila fecha-se num só gesto e sem se baixarimage graças ao seu sistema revolucionário 3D (patente Bébé Confort). Compacto,
permanece em pé fechado e arruma-se facilmente, mesmo nas bagageiras mais pequenas dos automóveis!

Pode complementar o seu carrinho 1ª idade.
Leve (só 6 kg), o Mila é a solução 2ª idade. Mas, para as viagens por exemplo, pode receber ocasionalmente a sua babycoque da Bébé Confort (kit de adaptação vendido em separado).

Muito confortável para o bebé mas com muito estilo.

A criança pode descansar graças ao encosto inclinável e ao apoia-pernas ajustável. No seu assento acolchoado, o bebé fica instalado. Com um design único, o Mila dá cor à sua vida.

A gravidez e os desejos bizarros

A Visão de Março traz um artigo com um título apetitoso ou, pelo menos, sugestivo: “Apetece-me comer uma esponja”!

Como se indica no artigo de Raquel Brito, 31% das grávidas admitem ter vontades bizarras. Entre os estranhos apetites e hábitos descritos contam-se os seguintes: mascar esponjas, saborear terra, deglutir pasta de dentes, cheirar lã de ovelha. Os mais misteriosos de todos talvez sejam os que estão associados à síndrome de pica – “ingestão compulsiva de substâncias não nutritivas como barro, giz, cal, sabão e gelo” – que está muitas vezes associado a anemia ou défice nutricional de ferro.

Com o apoio de uma nutricionista, Ana Sofia Rodrigues, é também feita uma análise que pretende explicar os apetites mais usuais das grávidas:

“Chocolate – Rico em vitamina B2, bom para o metabolismo

Carne Vermelha – Rica em ferro, importante para a síntese das células sanguíneas

Gelado – Rico em gordura e cálcio (se for de leite); evitar exageros

Laranja – Rica em vitamina C, poderoso antioxidante e importante na produção de colagénio (proteína existente em tecidos ósseos, pele, tendões, dentes e vasos sanguíneos)

Queijo – Rico em gordura e cálcio; consumir moderadamente.”

Já sabe, se lhe apetecer comer um pedacinho de terra de um vaso no parapeito da janela, ou se a pasta de dentes lhe souber a figo, não está sozinha. Em tom de brincadeira, o melhor será consumir tais ingredientes com moderação! Num tom mais sério, em certos casos será melhor falar com um especialista em saúde materna e obstétrica, pois tal desejo poderá ser um sintoma de um défice nutricional.

A importância da correcção da pega no processo da amamentação

Um estudo português sobre os benefícios de corrigir a forma como um bebé «pega» na mama da mãe quando está a ser amamentado acaba de ser distinguido em Espanha como o melhor sobre a temática do aleitamento materno, refere a Lusa.

[…] O estudo conclui que a correcção da pega do bebé à mama na primeira mamada aumenta significativamente a duração do aleitamento materno, disse a principal autora, Adriana Pereira.

[…] Esse êxito «é benéfico não só para a saúde da mãe e do bebé, como para a família, a sociedade e o meio ambiente, segundo atestam todos os estudos científicos até agora realizados», sublinhou.

Nesse sentido, a autora considera muito importante que as mães conheçam e saibam identificar os sinais de pega correcta para ajudarem os próprios bebés.

[…] Adriana Pereira explicou que «o bebé deve ficar com a boca bem aberta quando está a mamar, com o lábio inferior virado para fora e com o queixo a tocar na mama».

Além disso, a aréola (parte escura da mama) «deve ver-se mais acima da boca do que abaixo, e habitualmente as bochechas ficam arredondadas e não chupadas para dentro».

[…] O estudo, feito no âmbito do doutoramento de Adriana Pereira em Ciência Biomédicas pela Universidade do Porto, em 2005, está publicado num livro intitulado «Aleitamento materno – a importância da correcção da pega no processo da amamentação – resultados de um estudo experimental”, editado pela Lusociência em 2006.

Adriana Pereira é membro fundador do Comité Nacional para o Aleitamento Materno e formadora nesta área para a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a UNICEF.

Fonte: TVI, Amamentação: estudo português premiado, 22-03-2009

O subsídio de paternidade e a auto-estima das crianças

«[…] Em 2006, foram pagos 438 subsídios de paternidade, mais 25 do que no ano anterior.

Estudos recentes feitos por investigadores do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA) concluem que “a presença do pai na vida da criança tem um papel fundamental para o seu desenvolvimento sócio-emocional, a vários níveis”. A psicóloga Inês Rito concluiu que “as crianças que têm um pai presente têm um nível de auto-estima superior àquelas que têm um pai ausente”. Um outro estudo realizado no ISPA concluiu que quanto maior é a participação e o envolvimento do pai no crescimento e educação da criança “melhor é a qualidade da relação que se estabelece entre ambos”.»

Fonte: Correio da Manhã, 19-03-2009

Manutenção das rodas do Quinny Buzz

– Assegure-se de que as rodas tenham sempre nível de pressão regular e suficiente. Desse modo o carrinho rodará mais suavemente e evitar-se-ão danos (e ruídos) nas peças móveis e articuláveis.
– As rodas traseiras podem ser insufladas até uma pressão máxima de 26 PSI/1,8 Bar. Os pneus são providos de “válvulas de automóvel”. Poderá enche-los com a bomba fornecida junto (no saco para compras). As válvulas dos pneus traseiros são mais fáceis de aceder pelo lado interno da roda.
– As câmaras-de-ar podem ser reparadas da mesma forma que as de bicicletas.
– Esvazie sempre os pneus quando levar o Buzz numa viagem aérea. As rodas podem-se danificar devido à diferença de pressão.
– As rodas podem deixar marcas escuras sobre determinados tipos de piso, principalmente em pisos lisos, como parquet, laminado de plástico e linóleo.

Fonte: Manual do Quinny Buzz