O cérebro do bebé: o mundo a seus pés

Como é que é ser-se um bebé? Durante séculos esta questão soaria absurda: atrás daquela adorável face estava simplesmente uma cabeça vazia. Um bebé, afinal, não tem a maioria das especificidades que definem a mente humana, tais como a linguagem e a capacidade de raciocínio. […] Pensar como um bebé é não pensar de todo.

A ciência moderna tem acompanhado genericamente esta visão, enumerando todas as coisas que os bebés não poderiam fazer porque os seus cérebros ainda não estavam suficientemente desenvolvidos.

Presentemente, contudo, os cientistas começaram a rever radicalmente a sua concepção da mente do bebé. Utilizando novas técnicas de investigação e novas ferramentas, revelaram que o cérebro de um bebé fervilha de actividade, é capaz de aprender quantidades impressionantes de informação num período relativamente curto. Ao contrário da mente de um adulto, que se restringe a uma pequena parcela da realidade, os bebés conseguem apreender um espectro muito maior de sensações – eles estão, em grande medida, mais despertos para o mundo do que nós estamos.

De acordo com Alison Gopnik, uma psicóloga da Universidade da Califórnia, Berkeley, e autora do livro no prelo “The Philosophical Baby”, “Nós tivemos esta visão muito enganadora dos bebés. O cérebro do bebé está perfeitamente desenhado para aquilo que necessita de fazer, que é aprender sobre o mundo que o rodei. Há momentos em que ter um cérebro completamente desenvolvido pode quase parecer um impedimento.”

Adaptado de: Jonah Lehrer, “Inside the baby mind”, THE BOSTON GLOBE, 26 de Abril de 2009

Um comentário em “O cérebro do bebé: o mundo a seus pés”

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *