Uso da chupeta não atrapalha a amamentação, afirma novo estudo

“As mães preocupadas, temerosas de que os seus bebés usem chucha e isso reduza as hipóteses de uma amamentação de sucesso, já podem relaxar, afirma um novo estudo. Num texto publicado na revista «The Archives of Pediatric & Adolescent Medicine», investigadores afirmam não ter encontrado evidências satisfatórias estabelecendo uma relação entre o uso de chupetas e a amamentação, avança o New York Times.
«Tradicionalmente, acredita-se que a chupeta interfira na amamentação ideal», escreveram os investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia. Na década de 1980, órgãos de saúde desencorajavam o seu uso. No entanto, nos últimos anos, vários estudos descobriram evidências de que os bebés que usam chucha ao dormir podem ser menos susceptíveis à síndrome infantil da morte súbita. A Academia Americana de Pediatria agora recomenda o seu uso, por essa razão.
Para os médicos, isso significa que há duas necessidades visivelmente opostas: motivar a amamentação, o que é mais saudável, mas também reduzir o risco da síndrome infantil da morte súbita.
Para o estudo – cuja principal autora é Nina R. O’Connor, no Chestnut Hill Family Practice Residency Program, na Filadélfia – os cientistas fizeram revisões de 29 pesquisas, de doze países, que abordavam o uso de chuchas e a amamentação. Os investigadores descobriram que as mulheres cujos bebés usavam chupeta aparentavam parar de mamar mais cedo. No entanto, não ficou claro se as chuchas eram a causa disso.
O autor mais experiente do estudo, Fern R. Hauck, recomendou que as chupetas sejam dadas aos bebés a partir da terceira ou quarta semana de vida.”

Para saber mais:

Pacifiers and Breastfeeding – A Systematic Review, Nina R. O’Connor, MD; Kawai O. Tanabe, MPH; Mir S. Siadaty, MD, MS; Fern R. Hauck, MD, MS, Arch Pediatr Adolesc Med. 2009;163(4):378-382.

Children: No Harm to Breast-Feeding From Pacifiers, NYT, 04/05/2009

Uso da chupeta não atrapalha a amamentação, afirma novo estudo, O Globo, 11/05/2009

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *