Uma consulta com um Hal simpático e um médico sem tempo para empatia

«Impressionado e alarmado pelos avanços em inteligência artificial, um grupo de informáticos está a debater se deve haver limites à investigação que possa levar à perda de controle dos seres humanos sobre os sistemas baseados em computadores que são responsáveis por uma parte crescente das tarefas da sociedade, desde a guerra até conversar com os clientes ao telefone.

[…] Apesar das suas preocupações, o Dr. Horvitz [investigador da Microsoft e presidente da Association for the Advancement of Artificial Intelligence] disse que estava esperançoso de que a investigação em inteligência artificial iria beneficiar os seres humanos, e talvez até compensar as falhas humanas. O Dr. Horvitz demonstrou recentemente um sistema baseado na voz que projectou para questionar os pacientes sobre os seus sintomas e para lhes responder com empatia. Quando uma mãe disse que o seu filho estava com diarreia, o rosto no monitor disse, “Oh não, lamento ouvir isso.”
Um médico disse-lhe logo que era maravilhoso que o sistema respondesse à emoção humana. “Que grande ideia”, disse o médico ao Dr. Horvitz. “Não tenho tempo para isso.”»

Pode ver o vídeo da triagem efectuada pelo sistema computacional basaeado na voz aqui (site da Microsoft).

Fonte: “Scientists Worry Machines May Outsmart Man”, New York times, 25/07/2009

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *