Horário da Loja dia 1 de Dezembro

Dia 1 de Dezembro a loja estará aberta

em horário normal (10h – 20h).

Horário da loja nos feriados e festividades de Dezembro 2009 e Janeiro 2010:

8 Dez. (3.ª)

Horário normal 10h – 20h
24 Dez. (5.ª) 10h – 16h
25 Dez. (6.ª) ENCERRADO
26 Dez. (Sáb.) ENCERRADO
31 Dez. (5.ª) 10h – 16h
1 Jan. (6.ª) ENCERRADO

Loola KID ART – Na arte do tempo

loola_kid_art_bbcA Bébé Confort volta à corrente Pop Art e lança a série limitada KID ART: uma colecção única, com cores tendência e decididamente Pop!

A colecção KID ART existe na alcofa Windoo, na babycoque Créatis.fix, no carrinho Loola e no saco muda-fraldas Essential.

Região Centro tem a mais elevada taxa de prematuros

«[…] O Dia Internacional de Sensibilização para a Prematuridade é hoje assinalado em países de todo o mundo, com o intuito de reflectir sobre as formas de reduzir a taxa de prematuridade e as sequelas nas crianças, bem como de minimizar os problemas das famílias. A Maternidade Bissaya Barreto (MBB), em Coimbra, é uma das instituições a marcar a data. De acordo com a pediatra Fátima Negrão, cerca de 10 por centos dos bebés ali nascidos são prematuros (100 a 120 por ano), mas a grande maioria tem mais do que 34 semanas de gestação.
A fatia dos cinco por cento que nascem com menos de 34 semanas é a que traz mais preocupações e inspira mais cuidados dos profissionais de saúde, «pela sua imaturidade, pelo baixo desenvolvimento dos órgãos, nomeadamente dos órgãos respiratórios, que obriga a apoio ventilatório». Ainda que a idade gestacional seja mais importante do que o peso, estes são também bebés muito pequeninos, com peso normalmente abaixo dos 1.500 gramas. A taxa de mortalidade destes bebés na MBB ronda os 12 por cento, à semelhança do que é conseguido em centros de referência internacionais.
Mas o importante não é só que os bebés sobrevivam. «Preocupa-nos a qualidade de vida que vão ter. Cerca de 20 por cento fica com sequelas, que podem ser doenças crónicas respiratórias, défices sensoriais (surdez, défice de visão, etc.) ou uma paralisia cerebral», explica Fátima Negrão, reparando que «num maior número de crianças que sobrevivem há uma maior taxa de sequelas». Um “pau de dois bicos” que os especialistas têm de ter em consideração na altura de definir «os limites da viabilidade terapêutica». Neste momento, de acordo com a pediatra, «o consenso internacional é de que se deve investir no tratamento de bebés com 24 semanas ou mais».

400 gramas de vida
Ainda assim, graças ao investimento na área da obstetrícia são cada vez mais os bebés prematuros que conseguem ter um desenvolvimento saudável. E isso mesmo prova a história de um bebé que nasceu com apenas 400 gramas na MBB e cuja foto figura, orgulhosamente, no álbum da Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais (UCIN). Serve para mostrar às novas mães (e pais) de prematuros, dando-lhes mais confiança.
Para este tipo de resposta diferenciada, a MBB recebe grávidas de toda a região Centro e, sempre que possível, é feita a transferência “in utero”. «A mãe é a melhor incubadora que existe», sustenta Fátima Negrão. As mães – e também os pais – são preparados para receber o bebé prematuro, com uma visita à Unidade de Cuidados Intensivos, o folhear do álbum de fotos e tudo o que possa minimizar o impacto de não receber o filho nos braços após o nascimento e deste não ser (ainda) o bebé rechonchudo e rosado que imaginaram. 

Taxa elevada na região Centro
Segundo as estatísticas do Alto Comissariado para a Saúde, a região Centro tem a mais elevada taxa de prematuridade a nível nacional. Uma situação que os especialistas não conseguem explicar. No entanto, são conhecidos os factores que têm contribuído para uma maior taxa de prematuridade em Portugal e em outros países desenvolvidos, como o stress da grávida, infecções, a hipertensão, as gravidezes gemelares (relacionadas também com um aumento da procriação medicamente assistida) e a idade mais avançada das mães. Por outro lado, repara Fátima Negrão, «muitas mulheres com doenças crónicas (diabetes, lúpus, etc.) e outras, que não conseguiam engravidar, podem hoje concretizar esse sonho e levar quase até ao fim a gravidez».

Tive a sorte de a conhecer mais cedo
«As mães têm sempre um grande choque, porque o bebé está inacessível, rodeado por tubos, numa sala em que, por vezes tocam alarmes», explicam Helga Ribeiro e Cecília Parente, que deram ao Diário de Coimbra o testemunho de enfermeiras da UCIN e, simultaneamente, de mães de crianças prematuras. A primeira já com a serenidade que a distância trouxe, já que a filha tem hoje 11 anos e, apesar de ter sido sempre a mais pequenina da creche e do jardim-de-infância, teve um desenvolvimento perfeitamente normal. À filha costuma dizer, meio a brincar, que teve «a sorte de a conhecer mais cedo do que é costume». […]»

Fonte: Diário de Coimbra, 17.11.2009

Dia Internacional de Sensibilização para a Prematuridade

«[…] “Nunca me vou libertar do medo de os meus filhos serem prematuros”, desabafa Carla Rocha, mãe de duas crianças que nasceram antes do tempo e que preside à XXS – Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro, a propósito do primeiro Dia Internacional de Sensibilização para a Prematuridade, que se assinala terça-feira.

[…] Às 28 semanas de gestação, Carla Rocha sofreu um impacto único na sua vida: viu nascer o seu primeiro filho com 800 gramas “sem perceber o que se estava a passar”. Quatro anos depois nasceu a sua filha, também prematura, e apesar de já saber o que a esperava diz que viveu “o mesmo horror, a mesma agonia e angústia”. “A ansiedade e a angústia prolongam-se pela vida toda”, diz, acrescentando que o que está em causa é o medo de se perder aquele filho.
Para Fátima Clemente, médica do Serviço de Neonatologia do Hospital de S. João, não é só o bebé que é prematuro numa situação destas, há também uma família “que de repente se tornou prematura”.

[…] Enfermeira na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais do S. João há 26 anos, Madalena considera que, perante prematuros, os pais têm de aprender a viver dia a dia. “Dizer aos pais que o seu bebé está estável não lhes diz nada”, disse. “O que gostam de ouvir é que o bebé aumentou 30 gramas, sorriu, abriu o olho ou mamou cinco mililitros de leite. São vitórias que se festejam”.
À espera do Dia Mundial
Este dia de sensibilização para os bebés prematuros foi criado pela Fundação Europeia para o Cuidado dos Recém-nascidos (EFCNI, na sigla em inglês) e será comemorado pela primeira vez terça-feira em diversos países europeus, na Austrália, Estados Unidos e Canadá. Em Portugal, a data será assinalada nos hospitais S. João, no Porto, e Central de Faro, bem como nas maternidades Bissaya Barreto, em Coimbra, e Alfredo da Costa, em Lisboa.
A ideia é “lembrar o prematuro, reflectir e pensar em maneiras de reduzir a taxa de prematuridade, reduzir as sequelas nestas crianças e minimizar os problemas das suas famílias”, afirmou à Lusa Hercília Guimarães, directora do Serviço de Neonatologia do Hospital de S. João e membro da direcção da EFCNI.
Segundo Hercília Guimarães, a fundação europeia solicitou já à Organização Mundial de Saúde (OMS) que institua o 17 de Novembro como Dia do Prematuro, encontrando-se agora à espera da resposta. “Temos cerca de 10 por cento de nascimentos prematuros em Portugal”, refere a médica, acrescentando que estes bebés, bem como as suas famílias, se deparam com múltiplos desafios. “São bebés que precisam de cuidados especiais e de apoio multidisciplinar depois de terem alta do hospital, durante muito tempo”, afirma.
70 por cento de hipóteses antes das 28 semanas
De acordo com dados da Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria, as crianças que actualmente nascem antes das 28 semanas de gestação têm uma sobrevivência de 70 por cento e, das que nascem antes das 30 semanas, 80 por cento não têm problemas de desenvolvimento. […]»

Fonte: Público, 16.11.2009

Frágil hoje, Forte no futuro – Agenda Frágil’10

«A edição da Agenda Frágil para 2010 é apresentada amanhã, Dia Mundial da Prematuridade, às 19 horas, no bar Skones, em Lisboa. No cocktail de lançamento estão presentes os modelos, apresentadores, desportistas e músicos que abraçam esta causa, desde 2007, com a mesma certeza – ‘Frágil hoje, Forte no futuro’

André Sardet, João Portugal, Lúcia Moniz, Diana Chaves, Sofia Carvalho, Sónia Brazão, Diana Pereira, Érika Oliveira, Pedro Couceiro, Telma Monteiro e Vanessa Fernandes são as figuras públicas que este ano abraçaram a causa.

[…] A Agenda Frágil’10 é um projecto de divulgação e sensibilização da população para as causas e consequências da prematuridade, desenvolvido pela Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria, que conta este ano com a participação da XXS – Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro.

O projecto Frágil nasceu em 2007 pelas mãos da Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria, com dois objectivos: divulgar e sensibilizar a população para as causas e consequências da prematuridade e angariar fundos para as entidades envolvidas, a Secção de Neonatologia e, este ano, também para a XXS – Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro.

Em Portugal, seis em cada 100 bebés nascem com menos de 37 semanas de gestação, e um por cento dos recém-nascidos tem menos de 1.500 gramas.

Os prematuros representam um terço da mortalidade infantil no nosso país. As crianças que nascem antes do tempo têm o sistema imunitário mais frágil e estão mais expostas a infecções e complicações que podem ser fatais.»

Fonte: Sol, 16.11.2009

Enfermeiras da Maternidade Daniel de Matos distinguidas em congresso de enfermagem neonatal

«Célia Bernardino, Maria dos Anjos Lavrados e Conceição Baptista, enfermeiras da Maternidade Daniel de Matos, conquistaram o primeiro lugar nas comunicações orais do IV Encontro Nacional de Enfermagem Neonatal/Pediátrica, realizado a 24 de Outubro na Figueira da Foz. “Internamento nas Unidades de Cuidados Intensivos e o Neurodesenvolvimento do Recém-Nascido Pré-Termo” foi o tema da apresentação que recordou o percurso de cuidados verificado nesta área da saúde e analisou as medidas que são levadas a cabo da maternidade dos Hospitais da Universidade de Coimbra.
Na Unidade de Cuidados Intensivos ao Recém-Nascido (UCIRN) é promovida a presença dos pais (em especial da mãe) e os cuidados da equipa multidisciplinar vão no sentido de minimizar o impacto do mundo exterior nos bebés que nasceram prematuros. «Tentamos aproximar-nos ao máximo do ambiente do útero materno, colocando baixa iluminação na sala das incubadoras, retirando ruídos e minorando as agressões», explica ao Diário de Coimbra Maria dos Anjos Lavrador, enfermeira na unidade desde 1991.
De acordo com a enfermeira, a manipulação do recém-nascido é regrada e está sujeita a intervalos de tempo, para que o bebé repouse o maior número de horas. «Concentramos cuidados e agrupamos intervenções, temos de estar atentos a sinais de stress», sustenta, lembrando que o desenvolvimento neuro-motor saudável é o grande objectivo.
Ao longo dos anos, os procedimentos nestas unidades têm sido alterados, fruto de novos conhecimentos e a UCIRN tem-nos acompanhado. «No início não se valorizava a presença dos pais como hoje», repara Maria dos Anjos Lavrador.
O Encontro Nacional de Enfermagem Neonatal/Pediátrica, promovido pelo Laboratório Abbot, teve por base a defesa dos 50 Anos da Declaração dos Direitos da Criança e pretendeu identificar os “Percursos no Cuidar”. De entre os múltiplos trabalhos apresentados, foram seleccionados cinco para serem apresentados como comunicações orais. As enfermeiras da Maternidade Daniel de Matos foram distinguidas pela Comissão Científica do congresso com o 1º Prémio, no valor de 500 euros.
Uma parte significativa deste dinheiro será, adiantam, doada à unidade onde trabalham, para aquisição de material, no intuito de contribuir para a melhoria do conforto e do bem-estar dos bebés. Um gesto simbólico sublinhado pelo Conselho de Administração dos Hospitais da Universidade de Coimbra, em nota de imprensa.»

Fonte: Diário de Coimbra, 5 de Novembro de 2009