Aleitamento Materno – Do que se diz ao que se sabe…

Bárbara Sousa e Teresa Pacheco, enfermeiras, a trabalhar há 8 anos na área de Saúde Materna e Obstétrica e conselheiras em Aleitamento Materno, são as autoras do livro “Aleitamento Materno – Do que se diz ao que se sabe…”, publicado recentemente pelas Edições MinervaCoimbra.

Como o próprio título indica, as autoras pretendem esclarecer dúvidas, desfazer mitos e elucidar as mães (e os pais) para que o aleitamento seja feito de um modo mais informado. Como as próprias autoras esclarecem, “não desvalorizamos o que se diz, mas com fundamentação concluímos que nem sempre se vai ao encontro do que se sabe”.

O livro está dividido em quatro partes. Em primeiro lugar, Bárbara Sousa e Teresa Pacheco abordam os anseios e as expectativas que as mamãs têm antes da amamentação. A segunda parte, porventura a mais importante e aquela a que as autoras dedicam atenção no livro, trata das vivências da amamentação. É uma secção que será muito útil para quem esteja a amamentar, porque permite um rápido esclarecimento de uma série de dúvidas ou receios que possam surgir. Na terceira parte, oferece-se uma súmula dos benefícios do leite materno. Por último, as autoras não quiseram deixar de lado as partes legais e práticas do “regresso ao trabalho”.

Ao longo do livro, as enfermeiras Bárbara Sousa e Teresa Pacheco, enumeram e analisam uma série de crenças que, no seu entender, poderão constituir eventuais obstáculos para o êxito do aleitamento materno. A cada uma das questões enunciadas as autoras respondem de um modo simples. Para a maioria delas, a resposta é directa: “sim” ou “não”. Para outras a resposta é um mais cinzento “nem sempre”, ou um “bingo” que não deixa margens para dúvidas.

Com este livro aprende-se, entre muitas outras coisas, que não é por a mamã ter mamilos curtos ou rasos que o bebé vai deixar de mamar; que não se devem lavar os mamilos antes e depois de amamentar; que beber cerveja preta para aumentar a produção de leite é um mito; que o leite pode ser conservado numa arca congeladora durante três meses.

O objectivo das autoras, de informar para facilitar a opção das famílias pela amamentação, foi conseguido com este pequeno livro, que será uma ajuda preciosa para tornar a amamentação cada vez mais uma realidade.

 

Sousa, Bárbara e Pacheco, Teresa (2010). Aleitamento Materno – Do que se diz ao que se sabe… Coimbra: MinervaCoimbra

Maternidades de Coimbra defendem a criação de um banco de leite materno na região

«Responsáveis das duas maternidades de Coimbra defendem as vantagens da criação de um banco de leite materno na região, que possibilite alimentar bebés prematuros. […]

A Maternidade Bissaya Barreto (MBB), em Coimbra, já planeou anteriormente um projecto do género, mas este não avançou. "Não foi obtido financiamento e, neste momento, dadas as carências financeiras da instituição e do país, nada está previsto nesse sentido", afirmou à Lusa Fátima Negrão, pediatra de Neonatologia da MBB.
[…] Também Rosa Ramalho, directora do serviço de obstetrícia da Maternidade Daniel de Matos (MDM), defende a criação de um banco de leite materno em Coimbra, alertando, no entanto, para a "logística pesada de funcionamento e até equipamento" que o serviço implicaria. Considera, no entanto, que o banco de leite materno deveria nascer a partir de um projecto nacional "em que se apurasse quantos bancos de leite materno seriam necessários e se avançasse por regiões, em vez de iniciativas isoladas", afirmou. […]»

Fonte: Público, 05-10-2010