Para utilizar bem a chupeta do bebé

• Verifique a sua limpeza, sobretudo nos primeiros meses (as chupetas esterilizam-se como os biberões).
• Lave sempre a chupeta com água morna e sabão (enxagúe bem) antes de cada utilização.
• Nunca ponha açúcar ou mel, senão corre riscos de favorecer o aparecimento de cáries.
• Evite propor a chupeta ao bebé antes que o aleitamento esteja bem estabelecido.
• Verifique os hábitos de sucção do seu bebé, dando-lhe a chupeta só em alguns momentos do dia (para adormecer ou acalmá-lo por exemplo).
• Duração de utilização de uma chupeta: 1 a 2 meses.

Fonte: Bébé Confort

Polegar ou chupeta, quais as consequências?

Para satisfazer a sua necessidade de sucção, o bebé pode chupar o dedo, uma chupeta, um brinquedo. Estes objectos podem provocar malformações dentárias devido à pressão exercida nos maxilares.

Sabia isto?
35 % das crianças com 4 anos apresentam uma malformação do maxilar. O polegar é um elemento dinâmico e duro que exerce uma pressão muito forte nas gengivas e nos dentes em desenvolvimento.
2/3 destas malformações são provocadas pela sucção do polegar ou de uma chupeta clássica (Estudo de R.Schlömer realizado em 2479 crianças em escolas primárias em 1984). A chupeta, elemento estático e flexível, exerce uma pressão menos forte que a do polegar. No entanto, utilizada com frequência, esta pode também alterar o bom desenvolvimento do maxilar do bebé.

Graças à sua forma única e à sua base ultra fina, a chupeta Evidence® reduz até 90% a pressão exercida nos maxilares da criança! Com a chupeta Evidence, o bebé pode satisfazer a sua necessidade de sucção com serenidade!

Fonte: Bébé Confort

A chupeta – conselhos

  •     A chupeta deve ser formada por uma peça única com tetina suave, resistente à máquina de lavar louça e à fervura em água;
  •    A distância entre a extremidade da tetina e o anel, deve ser superior a 3,8 cm, para que o bebé não consiga introduzir a totalidade da chupeta na boca;
  • Não se deve usar a tetina do biberão como chupeta;
  • O anel deve ser de plástico firme com buracos de arejamento;
  • Não pendurar a chupeta ao pescoço pelo risco de estrangulamento;
  • Inspeccionar periodicamente o estado da chupeta: se a borracha começar a ficar mole ou descorada deverá ser substituída.

Fonte: Fichas Bebé Confort

Com a colaboração de Laurentina Cavadas (Médica Pediatra)

A chupeta

Há pais com grandes rejeições ao uso da chupeta; uns, porque se ofendem com a noção de acalmar o bebé com um objecto; outros, porque acreditam, embora incorrectamente, que a chupeta pode prejudicar.

O uso da chupeta não causa nenhum problema médico ou psicológico.

A chupeta é uma maneira de satisfazer as necessidades de sucção para além da amamentação. Não é para substituir ou atrasar as refeições.

Chupar no dedo ou usar a chupeta são padrões saudáveis de auto-controlo. O feto já chupa no polegar e o recém-nascido já tem o reflexo de mão/boca. Quando está perturbado ou a tentar sossegar, procura fazer isto como uma maneira de se controlar a si próprio. Este padrão parece ser inato e os bebés que o utilizam parecem ter uma convivência mais fácil.

No entanto, nas primeiras semanas de vida e, até que a amamentação ao peito esteja bem estabelecida, deve-se evitar dar biberão ou chupeta porque há bebés muito sensíveis à diferença da sucção pelo mamilo e pela tetina ou chupeta. Estes bebés podem simplesmente morder ou mastigar o mamilo em vez de usar a língua. Se neste período de tempo o bebé parecer necessitar de mais sucção, deve oferecer-se novamente o peito ou então auxiliá-lo a encontrar as suas próprias mãos.

Devemo-nos lembrar que a chupeta é para benefício do bebé e não para nossa conveniência; por isso devemos deixar o bebé decidir se e quando deve usá-la.

Nas crianças carentes e que estão quase sempre a sugar, a chupeta poderá prejudicar a dentição deformando a arcada dentária; o mesmo irá acontecer se chupar no dedo insistentemente depois dos 5 – 6 anos de idade.

Sabe-se no entanto que é a pressão da língua que deforma os dentes superiores, daí que a razão mais importante para a necessidade de endireitar os dentes seja, provavelmente, uma tendência genética.

Desde muito cedo as crianças começam a viver num mundo de tensões e é natural que procurem algum tipo de auto conforto como uma maneira de vencer essas tensões.

Nas viagens de avião, principalmente na subida e na aterragem, o desconforto e a dor causados no ouvido médio pelas diferenças de pressão, podem ser aliviadas pela sucção, pelo biberão ou chupeta.

Até aos 6 meses e devido à imaturidade do sistema imunológico, deve-se esterilizar com frequência as chupetas para não aumentar o risco de infecção por esta via. Depois desta idade a probabilidade de contrair infecção por este meio é muito pequena, bastando lavar a chupeta com detergente e passá-la por água corrente.

Há essencialmente dois tamanhos – um até aos 6 meses e outro a partir desta idade. Há várias formas de tetina desde a anatómica – ortodôntica até à arredondada.

Depois de escolher a forma de chupeta que o bebé prefere, deve-se comprar várias pelo risco de se sujarem e se perderem com facilidade.

Fonte: Fichas Bebé Confort.

Com a colaboração de Laurentina Cavadas (Médica Pediatra)