Portugal e a (in)segurança infantil

«Portugal é dos piores países europeus em segurança infantil e só em 2005 registaram-se 197 mortes acidentais no nosso País. Um relatório europeu que analisou 24 países e que foi ontem divulgado coloca os portugueses no penúltimo lugar, apenas à frente dos gregos.

Os pontos mais críticos do ponto de vista da prevenção são as quedas, afogamentos e queimaduras. Ainda assim, os acidentes rodoviários continuam a ser os responsáveis pelo maior número de mortes acidentais.

O ranking foi conhecido no dia em que arrancou o primeiro Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) que estava previsto desde 2007, mas que só agora recebeu apoio estatal para avançar. O Alto Comissariado da Saúde assume assim a sua coordenação oficial.

Além de apontar os pontos fracos […] a Aliança Europeia de Segurança Infantil (AESI) dá sugestões. Uma delas é a publicação imediata do “novo Regime Geral para Edificações, que já prevê na sua versão final de Janeiro de 2007, a alteração das regras de construção de forma a reduzir o risco de queda de crianças de janelas, varandas e escadas”. Outra forma de evitar as quedas que em 2006 provocaram seis mortes acidentais é estabelecer regulamentos para a construção de barreiras para as escadas. […]»

Fonte: DN, 7/05/2009

Cuidados a ter com o bebé – Cadeiras de papa e Parques

As crianças não vêem o mundo como os adultos. Por isso, devemos tentar sempre colocarmo-nos no lugar das crianças no sentido de perceber melhor os riscos e assim proteger melhor o seu universo.

image CADEIRAS DE REFEIÇÃO

A cadeira deve ter uma base larga para não inclinar quando alguém, acidentalmente, embater contra ela.

Se for desdobrável, assegure-se de que o dispositivo de fecho esteja bem firme, todas as vezes que a criança se sentar nela.

Prender a criança com o cinto de segurança, sempre que esteja sentada. Nunca permitir que a criança se levante na cadeira.

Nunca colocar a cadeira perto de balcão ou mesa ou ao alcance de objectos quentes e perigosos. A criança pode ser capaz de empurrar com força contra estas superfícies e inclinar a cadeira.

Nunca deixar a criança sozinha numa cadeira alta e não permitir que crianças mais velhas subam ou brinquem nela.

image Uma cadeira que se adapte à mesa, deve encaixar-se bem contra ela. Assegure-se de que a mesa é suficientemente forte para suportar o peso do bebé. (Se os pés do bebé tocarem o suporte da mesa, ele pode empurrar-se contra ela e deslocar a cadeira da mesa).

 

PARQUES

A maior parte dos pais utilizam os parques como um local seguro para colocar o bébé, quando não o podem observar com toda a atenção. No entanto, deve ter em atenção alguns perigos:

image Nunca deixar um lado de rede descido, pois a criança pode rolar para a bolsa criada pela parte bamba da rede, podendo ser enlaçada e sufocada.

Retirar caixas e brinquedos grandes quando a criança se levantar sozinha, para não poder usá-los para trepar e saltar para fora.

Se o parque for de ripas de madeira, estas não devem estar afastadas mais do que 6cm, para que a criança não consiga introduzir a cabeça através delas.

Fonte: Fichas Bébé Confort. Com a colaboração de Laurentina Cavadas, Médica Pediatra.

Cuidados de segurança – Cozinha

 

A cozinha é um local tão perigoso para a criança e como tal, há quem defenda que a criança deve ser excluída dela.

 imageCOZINHA

No entanto, isto é quase impossível porque os pais passam grande parte do tempo nela e a maior parte das crianças quer estar presente onde decorre a acção.

Enquanto a criança está com a mãe na cozinha, deveria estar sentada em cadeira alta para poder observar o que se está a passar, com brinquedos na mão, para que se possa distrair.

Precauções a tomar:

imageGuardar produtos de limpeza num armário alto e fechado à chave, fora da vista e alcance das crianças. Nunca vazar substâncias perigosas para contentores de alimentos (garrafas de água ou de sumos).

Guardar facas, tesouras e outros objectos cortantes em gavetas fechadas e separados dos outros utensílios de cozinha.

Não deixar fios eléctricos pendurados onde a criança possa alcança-los e puxá-los.

Colocar as panelas na parte de trás do fogão para que a criança não possa alcança-los. Nunca segurar chávenas com líquido quente com o bebé ao colo.

imageAo comprar um forno, deve verificar que é bem isolado, para proteger a criança de se queimar, ao tocar na porta. Nunca deixar a porta do forno aberta.

Se o fogão for a gás, deverá fechar a sua saída, sempre que não esteja a cozinhar.

Manter fósforos fora do alcance e da vista das crianças.

Não aquecer biberões no microondas. O líquido aquece mais rapidamente no interior que à periferia, o que pode provocar queimaduras. Os biberões muito aquecidos podem explodir quando se retiram do microondas.

Ter um extintor de fogo na cozinha.

Fonte: Fichas Bébé Confort. Com a colaboração de Laurentina Cavadas, Médica Pediatra.

Segurança dentro de casa – Cama e Muda de Fraldas

Devemos acabar com a ideia de que os acidentes só acontecem quando viajamos de automóvel.
Os acidentes domésticos são a maior causa de hospitalização de crianças.

CAMA

As grades da cama não devem estar afastadas mais de 6cm para que a criança não consiga meter a cabeça entre elas.

Não deve haver ângulos nos cantos das cabeceiras e pés da cama, pois a criança pode colocar lá o pescoço

Os cantos não devem ter guarnições.

Todos os parafusos e ferragens devem ser aparafusados. A actividade da criança pode levar ao desprendimento e colapso da cama, sufocando-a.

Inspeccionar semanalmente as ferragens da cama. Não substituir pequenas partes em casa, mas antes consertar no fabricante.

Se a cama for antiga, por precaução, deve-se retirar a tinta e pintá-la com uma de boa qualidade.

O colchão deve ser colocado bem adaptado aos lados da cama, não devendo existir uma folga maior que um dedo.

Logo que o bebé se sente, convém baixar o colchão para um nível em que o bebé não possa cair da cama. As quedas mais frequentes ocorrem quando o bebé tenta subir e saltar para fora da cama. A cama deve ser substituída quando o bebé atinge os 90cm.

A altura das paredes da cama deve ter no mínimo 10cm acima do colchão, mesmo na posição mais alta. Assegure-se de que os lados da cama estejam bem fechados e que não possam ser abertos pela criança. Deixar sempre as grades subidas quando a criança estiver na cama.

Verificar, periodicamente, o bom estado da cama – ferragens e lascas ou rachadelas na madeira.

Forrar por dentro as grades enquanto o bébé for lactente.

Retirar as forras quando o bebé se puder levantar.

Se se colocar um brinquedo móvel sobre a cama, verificar se está bem seguro e suficientemente alto para que o bebé não possa alcançá-lo; removê-lo quando o bebé for capaz de o segurar nas mãos e joelhos ou quando tiver 5 meses.

Não colocar a cama ao lado da janela.

Muda Fraldas AmplitudeMUDA DE FRALDAS

Escolher uma mesa robusta com guardas de 5cm em todos os lados.

O tampo da mesa deve ser ligeiramente côncavo.

Nunca deixar a criança sozinha na mesa de vestir nem por um só momento.

Colocar a roupa, fraldas e artigos de toilete, ao alcance da mão, para não ter sair do lado do bebé quando o estiver a vestir.

Fonte: Fichas Bébé Confort. Com a colaboração de Laurentina Cavadas, Médica Pediatra.

Cuidados de segurança

Os acidentes são a primeira causa de morte e incapacidade em crianças entre 1 e os 15 anos de idade. Os acidentes de automóveis são, sem dúvida, os responsáveis por grande número de lesões e mortes. Mas muitas crianças morrem ou ficam feridas por equipamentos especificamente designados para o seu uso.

Como é que a criança é lesada? Cada lesão envolve 3 elementos:

1- Factores relacionados com a criança.

2- Objecto que causa a lesão.

3- Ambiente em que a lesão ocorre.

A idade da criança marca a diferença no tipo de protecção de que necessita.

Durante os primeiros 6 meses podemos resguardar a criança de uma forma segura, mas nunca deixá-la sozinha em situação perigosa. Mas, logo que começa a mover-se ela cria perigo a si própria – primeiro rolando na cama, depois arrastando-se para lugares que não devia e, finalmente, procurando activamente coisas para lhe tocar. Logo que a criança começa a deslocar-se, dizemos-lhe – NÃO – se se aproxima de algo potencialmente perigoso. No entanto ela não compreende o verdadeiro significado da nossa mensagem. Mesmo que lhe digamos 20 vezes por dia, para não se aproximar do bidé, ela volta ao quarto de banho cada vez que saímos de lá.

imageAos 9 meses a criança não tem a memória desenvolvida o suficiente para relembrar o ensinamento que lhe demos, quando se aproxima, de novo, do objecto ou situação proibida. O que parece ser uma travessura é, de facto, o teste repetido da realidade. Esta é a via normal de aprendizagem para a criança desta idade.

O 2º ano de vida é, de facto, uma fase muito arriscada para a criança, porque as suas capacidades físicas excedem a compreensão e consequências das suas acções. Apesar de o julgamento melhorar nesta idade, o seu sentido de perigo não é suficiente e o seu auto controle não está desenvolvido para fazê-la parar quando observa algo interessante. Mesmo as coisas que não vê interessam-lhe; a sua curiosidade fá-la ir ao final da prateleira do frigorífico ou à caixa dos medicamentos. Nestas idades jovens as crianças são extraordinariamente mímicas – tentam tomar medicamentos como viram a mãe fazer ou brincar com a máquina de barbear como o pai.

Gradualmente, entre os 2 e os 4 anos, a criança desenvolve um sentido mais maduro de si própria, como pessoa que faz acontecer as coisas – que actua: toca no interruptor e a luz acende. Nesta idade estão tão envolvidas, elas próprias, que apenas vêem a sua parte na acção. Os riscos são misturados com o chamado “pensamento mágico” que significa que a criança procede como se, seguindo os seus desejos, de facto, acontecem. Não podemos esperar que uma criança com 2- 4 anos compreenda que estas acções podem ter consequências perigosas para si própria e para os outros. Por estes motivos, deve-se estabelecer e reforçar regras de segurança, assim como explicar o porquê das regras: “Não deves atirar pedras porque podes magoar o teu amigo” ; “Nunca atravesses a rua sozinho, porque podes ser atropelado” .

Temos que repetir as regras sempre que a criança esteja na iminência de cometer o mesmo erro, até que ela compreenda que actos não seguros são sempre reprováveis. Para a maior parte das crianças são necessárias dezenas de repetições até serem lembradas, mesmo as regras de segurança fundamentais.

Fonte: Fichas Bébé Confort. Com a colaboração de Laurentina Cavadas, Médica Pediatra

Proteger a criança dos perigos dentro de casa

Os dias estão cheios de bem disfarçados perigos para a criança: objectos agudos, mobília com arestas, jarros com água quente, fogão ligado, piscinas, ruas movimentadas…

Os adultos aprenderam a navegar tão bem neste campo minado que não pensam em coisas como tesouras ou fogões como sendo perigosas.

Para protegermos a criança dos perigos que encontra dentro e fora de casa, temos que reconhecer que ela não distingue o quente do frio, o agudo do macio.

Os acidentes são a primeira causa de morte e incapacidade em crianças até aos 15 anos de idade. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, em cada ano, cerca de 2 milhões de crianças necessitam de cuidados médicos por acidentes; 40 a 50.000 sofrem lesões permanentes e 6.000 morrem.

Os acidentes de automóveis são, sem dúvida, os responsáveis por grande número de lesões e mortes. Mas muitas crianças morrem ou ficam lesadas pelo equipamento especificamente designado para o seu uso.

Num recente período de 12 meses, nos Estados Unidos, as quedas de cadeiras levaram 7.000 crianças ao hospital. Os brinquedos causaram mais de 200.000 acidentes, suficientemente sérios para requererem tratamento em salas de emergência hospitalar. No mesmo país, as alcofas são responsáveis por cerca de 27 mortes por ano.

Hoje sabemos que estas lesões não acontecem por acaso. Compreendendo como a criança cresce e se desenvolve e o risco de lesões em cada estadio de desenvolvimento, os pais podem tomar precauções que previnam a maior parte, se não a totalidade daqueles acidentes.

Fonte: Safety First

Festas Felizes e Seguras – Segurança Alimentar

(Com as festividades de final do ano à porta, este é um bom momento para rever algumas dicas de segurança. Compilámos algumas sugestões para que passe umas festas felizes e seguras em família.)

 

  • Os alimentos crus contêm muitas vezes bactérias. Cozinhe convenientemente as carnes e lave meticulosamente as verduras e as frutas cruas.

  • Mantenha os líquidos e os alimentos quentes longe dos bordos da mesa, local onde as mãos de uma criança exploradora de tenra idade poderiam facilmente entorná-los.

  • Lave as mãos com frequência e certifique-se que os seus filhos fazem o mesmo.

  • Nunca volte a colocar na comida uma colher que tenha usado para provas sem que antes a tenha lavado.

  • Mantenha os alimentos crus separados dos alimentos cozinhados e sirva-se de utensílios distintos quando os estiver a preparar.

  • Descongele a comida no frigorífico e não sobre a mesa.

  • Os alimentos que requerem refrigeração nunca devem deixar-se à temperatura ambiente mais do que duas horas.

  • Limpe os restos de comida após a festa. Lembre-se que uma criança que acorde mais cedo poderá entrar em contacto com álcool ou tabaco ou outros restos de comida prejudiciais.

Fontes: Safety First “Holiday Safety Tips” e American Academy of Pediatrics “2007 Holiday Safety Tips”

Festas Felizes e Seguras – com brinquedos seguros

(Com as festividades de final do ano à porta, este é um bom momento para rever algumas dicas de segurança. Compilámos algumas sugestões para que passe umas festas felizes e seguras em família.)

 

  • Seleccione brinquedos que correspondam à idade da criança, às suas competências e que sejam do seu interesse.

  • Antes de comprar um brinquedo ou de permitir que o seu filho brinque com ele, leia as instruções atentamente.

  • Para prevenir queimaduras ou descargas eléctricas, não dê brinquedos que se devam ligar à corrente eléctrica a crianças com menos de 10 anos. Como alternativa adquira brinquedos a pilhas.

  • Recorde que as crianças com menos de três anos de idade podem asfixiar-se com as partes pequenas de brinquedos ou jogos.

  • As crianças com menos de oito anos podem sufocar com balões. Retire cordões e laços dos brinquedos antes de os dar a crianças pequenas.

  • Tenha a atenção com brinquedos com cordões muito grandes que possam constituir um risco de estrangulamento para bebés.

Fontes: Safety First “Holiday Safety Tips” e American Academy of Pediatrics “2007 Holiday Safety Tips”

Festas Felizes e Seguras – Cuidados com as decorações de Natal e Ano Novo

(Com as festividades de final do ano à porta, este é um bom momento para rever algumas dicas de segurança. Compilámos algumas sugestões para que passe umas festas felizes e seguras em família.)

 

Pinheiro de Natal

  • Ao adquirir uma árvore artificial procure a etiqueta “resistente ao fogo”;

  • Se comprar um pinheiro de Natal (natural) verifique que a árvore foi cortada recentemente, pela sua cor verdejante, pela dificuldade em quebrar e retirar as agulhas. A parte inferior do tronco, onde foi efectuado o corte, ainda deverá estar pegajosa devido à resina.

  • Posicione a árvore longe de lareiras, radiadores ou aquecedores portáteis. Não bloqueie entradas com a árvore nem a coloque em locais de passagem.

  • Corte um pouco do tronco da árvore para expor a madeira. Isto permitirá uma melhor absorção da água e ajudará a evitar que a árvore seque e se converta num perigo de incêndio.

  • Mantenha cheio o depósito de água em que se encontra o pinheiro uma vez que em casas com aquecimento as árvores podem secar rapidamente.

Iluminação ornamental

  • Nunca use luzes eléctricas numa árvore decorativa em metal. A árvore poderá ficar carregada com electricidade por causa de luzes com defeito o que poderia levar a uma electrocussão.

  • Antes de usar luzes no exterior assegure-se de que estas estão certificadas para esse efeito.

  • Faça uma revisão aos fios decorativos antes de os colocar na árvore. Verifique se todas as lâmpadas funcionam e se não há fios expostos ou ligações defeituosas.

  • Ligue todas as decorações eléctricas de exterior a circuitos com terra para evitar descargas eléctricas.

  • Apague todas as luzes quando se deitar ou quando se ausentar de casa – As luzes poderiam gerar um curto-circuito e provocar um incêndio.

Ornamentos

  • Use apenas materiais não combustíveis ou resistentes ao fogo para decorar uma árvore.

  • Nunca utilize velas acesas numa árvore ou perto de outras árvores de folha perene. Use sempre suportes para velas não inflamáveis e coloque-os onde não possam cair.

  • Quando haja crianças muito pequenas, tenha especial cuidado para evitar decorações que sejam afiadas ou quebráveis, mantenha as decorações com partes pequenas que se possam retirar fora do alcance das crianças e evite adornos que pareçam doces ou alimentos que possam levar uma criança pequena a comê-los.

  • Depois de abrir os presentes retire todas as embalagens, papel, bolsas, cintas, laços, plásticos. Estes artigos podem constituir perigos de asfixia para uma criança pequena, ou causar um incêndio se estiverem próximos de uma chama.

Fontes: Safety First “Holiday Safety Tips” e American Academy of Pediatrics “2007 Holiday Safety Tips”

Festas Felizes e Seguras – Programe com antecedência

(Com as festividades de final do ano à porta, este é um bom momento para rever algumas dicas de segurança. Compilámos algumas sugestões para que passe umas festas felizes e seguras em família.)

Coloque-se de cócoras e faça um passeio pela sua casa tomando o ponto de vista do seu filho. Procure objectos e situações que possam constituir um risco: cantos de móveis, fichas ou cabos sem protecção, acessos a escadas, armários e gavetas e locais onde estejam armazenados fósforos, isqueiros, artigos de limpeza e outros líquidos potencialmente perigosos.

Instale artigos de segurança para crianças, tais como protectores de fichas, grades, fechos de gavetas e armários. Se passar as festividades em casa de outra pessoa não se esqueça de lhe solicitar que verifique também as condições de segurança e que armazene devidamente artigos perigosos como fósforos, isqueiros, detergentes, etc.

Mantenha consigo uma lista de telefones importantes de que possa necessitar em caso de emergência: polícia, bombeiros, pediatra, Linha de Intoxicações (INEM) – 808 250 143, Linha Saúde 24 – 808 24 24 24.

Fontes: Safety First “Holiday Safety Tips” e American Academy of Pediatrics “2007 Holiday Safety Tips”