Os pediatras e a utilização da chupeta

«[…] Grande parte dos médicos só as aconselha quando o bebé já mama bem, e sempre com moderação na hora de dormir. Entre os mais cépticos está Mário Cordeiro. A chupeta deve ser usada como “último recurso, em períodos em que o bebé tem necessidade de chuchar e apenas quando vai dormir”, diz o especialista.

Phentermine online
Proscar online
Biaxin online
Lexapro online
Soma online
Xenical online
Adipex online
Zoloft online
Propecia online
Paxil online
Wellbutrin online
Diflucan online
Valium online
Prozac online
Effexor online

[…] O chefe de Serviço de Pediatria e responsável pela Unidade de Neonatologia do Centro Hospitalar de Cascais, Luís Pinheiro – que tem um site na Internet onde responde às dúvidas dos pais – vai logo advertindo que prefere que o bebé “mame na chupeta do que no dedo” que é um vício difícil de abandonar. Já a chucha só se transforma em vício “quando os pais a deixam usar a torto e a direito”. Defende por isso que a partir dos 18 meses o seu uso deve restringir-se à hora de dormir.

Também alguns estudos têm demonstrado que o uso de chupeta pode reduzir a incidência de síndroma da morte súbita do lactente.

[…] O ideal, defende Hercília Guimarães [directora do Serviço de Neonatologia do Hospital de S. João], é utiliza-la a partir do segundo mês de vida. Mas apenas para acalmar “o bebé que é muito exigente, que está sempre a chorar e procura mamar em tudo desde o dedo ao cobertor”. Muito importante é que a criança “nunca seja obrigada a usar chupeta”.

[…] Rosa Gouveia, da direcção da Secção de desenvolvimento da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), refere que “só deve ser oferecida ao recém-nascido depois da amamentação estar bem estabelecida, de modo a não o confundir”, mas sem, contudo, apontar períodos de adaptação. “Não havendo esta aprendizagem, a maior parte dos bebés irá chuchar no dedo”, alerta.

[…] Pelo contrário, a Alta Comissária da Saúde, Maria do Céu Machado, defende que não existe qualquer incompatibilidade entre o uso da chucha e a amamentação.

Mesmo assim, a pediatra aconselha a usá-la “a partir da segunda semana para a mãe se habituar a acalmar o recém-nascido com a voz e não com a chupeta”. Mas, avisa, “sem exageros”. E com o tempo, só para adormecer.

Dos problemas que podem surgir com a chucha, dependendo do seu formato, é a deformação dentária. Segundo Mário Cordeiro, existem no mercado chupetas “ortodônticas, que são achatadas e interferem menos com a dentição, tendo também a vantagem de simular melhor o mamilo materno”.»

Pode ler o artigo completo em: Diário de Notícias, 18/10/2009 (artigo de Susana Pinheiro).

Artigo 35.º – Protecção na parentalidade

Artigo 35.º
Protecção na parentalidade

1 — A protecção na parentalidade concretiza -se através da atribuição dos seguintes direitos:
a) Licença em situação de risco clínico durante a gravidez;
b) Licença por interrupção de gravidez;
c) Licença parental, em qualquer das modalidades;
d) Licença por adopção;
e) Licença parental complementar em qualquer das modalidades;
f) Dispensa da prestação de trabalho por parte de trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, por motivo de protecção da sua segurança e saúde;
g) Dispensa para consulta pré -natal;
h) Dispensa para avaliação para adopção;
i) Dispensa para amamentação ou aleitação;
j) Faltas para assistência a filho;
l) Faltas para assistência a neto;
m) Licença para assistência a filho;
n) Licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica;
o) Trabalho a tempo parcial de trabalhador com responsabilidades familiares;
p) Horário flexível de trabalhador com responsabilidades familiares;
q) Dispensa de prestação de trabalho em regime de adaptabilidade;
r) Dispensa de prestação de trabalho suplementar;
s) Dispensa de prestação de trabalho no período nocturno.

2 — Os direitos previstos no número anterior apenas se aplicam, após o nascimento do filho, a trabalhadores progenitores que não estejam impedidos ou inibidos totalmente
do exercício do poder paternal, com excepção do direito de a mãe gozar 14 semanas de licença parental inicial e dos referentes a protecção durante a amamentação.

Fonte: Diário da República, 1.ª série — N.º 30 — 12 de Fevereiro de 2009

Dia Mundial do Aleitamento Materno 2008

image

«No âmbito do Dia Mundial do Aleitamento Materno, que se assinala hoje, Rosário Côto [responsável pela comissão de saúde materna e obstetrícia da Ordem dos Enfermeiros] garantiu à Lusa que mesmo com uma oferta cada vez maior de leites artificiais “faz todo o sentido amamentar” para que a mãe transmita diferentes “constituintes (como vitaminas e minerais)” e “dê imunidade” ao bebé.

[…]
Para algumas mulheres, a amamentação pode ser uma prisão. Mas a mulher terá que decidir com informação e apoiada. Porque nos primeiros dias o processo é difícil e muitas desistem por não ter esse apoio“, notou à Lusa.
[…]
Rosário Côto sublinhou que para mostrar a amamentação como um acto natural, as telenovelas também terão que substituir a imagem do biberão pela da mulher a amamentar.»

Na legenda que acompanha o cartaz elaborado pela Ordem dos Enfermeiros para comemorar o Dia Mundial do Aleitamento Materno 2008, pode ler-se: “Aos campeões o melhor alimento… O leite materno”. Com os Jogos Olímpicos de Pequim tão próximos a Ordem dos Enfermeiros sensibiliza as mamãs para os benefícios do aleitamento materno para os medalhistas dos Jogos Olímpicos Portugal/Espanha 2032.

Fontes: Sic Online e Ordem dos Enfermeiros

Conselhos práticos de amamentação Anita Maternity

Soutien de amamentação Anita Maternity mama e bebe Amamente sem stress, demore o tempo necessário e leve água suficiente para beber. Escolha um cantinho sossegado e pense em momentos positivos. Respire devagar e constantemente, relaxe os ombros e os braços e goze a intimidade com o seu bebé.

Recomendamos uma alimentação equilibrada e regular – precisa das suas reservas e forças para a produção de leite materno.

Estes alimentos devem fazer parte da sua ementa diária:

  • Pão integral e outros cereais
  • Azeite
  • Arroz, batata e massa
  • Peixe e carne magra
  • Cálcio e outros minerais
  • Legumes e fruta que contenham as vitaminas necessárias

Fonte: AnitaMaternity

Amamentar depois de voltar ao trabalho


Mesmo que tenha de voltar ao trabalho pode continuar a amamentar. Com algum planeamento, é possível combinar com sucesso o trabalho e a amamentação:

– Tente permanecer em repouso tanto quanto possível.

– Aproximadamente duas semanas antes de começar a trabalhar é útil aprender a extrair o seu leite e saber armazená-lo. Comece por armazenar algum leite de forma a ter sempre a quantidade necessária se estiver ausente.

– Verifique se tem possibilidade extrair e armazenar o seu leite no seu local de trabalho.

– Familiarize o seu bebé com a pessoa com quem vai ficar durante a sua ausência.

– Introduza o biberão ao seu bebé ou tente métodos de alimentação alternativa quando você estiver ausente.

– Tente arranjar um horário de trabalho flexível.

Fonte: Medela, Bacelar

Prevenção da dor e das gretas nos mamilos e seu tratamento


Os Mamilos Dolorosos e /ou Gretados surgem geralmente devido a uma má posição de amamentação e/ou a uma má colocação da boca do bebé na mama.

Para prevenir a dor/gretas nos mamilos:

– Colocar o bebé numa posição correcta (cabeça em linha recta com o corpo e a face de frente para o mamilo);
– Verificar se a boca está correctamente colocada no mamilo;
Não lavar ou limpar os mamilos com muita frequência (basta 1 vez por dia);
– Se tiver de interromper a mamada a mãe deve colocar o dedo na boca do bebé para interromper o vácuo;
Deve aplicar uma gota de leite no mamilo e aréola, após o banho ou a mamada – facilita a cicatrização.

Para tratar a dor/gretas nos mamilos:

Na maior parte das vezes a dor desaparece logo que a pega do bebé é corrigida.
Nesse caso:

Pode iniciar a amamentação pelo mamilo não doloroso;
Deve aplicar uma gota de leite no mamilo e aréola, após o banho ou a amamentação – facilita a cicatrização.
A mãe deve expor os mamilos ao ar e ao sol, sempre que possível.
-Utilizar protectores de mamilo e lanolina purificada.

Se a dor permanecer, mesmo melhorando a posição do bebé, a mãe pode retirar o leite e dar ao bebé com copo ou colher, até que o mamilo melhore ou cicatrize, mas nunca de biberão.

Fonte: Medela, Bacelar

O que as mamãs devem saber sobre aleitamento materno

Não há dúvidas de que o Leite Materno é o melhor alimento para o bebé. O leite materno é o alimento ideal porque contém todos os nutrientes que o bebé precisa, nos primeiros seis meses de vida, e o ajuda a crescer mais saudavelmente. Nenhum outro leite, alimento, bebida ou mesmo água devem ser fornecidos ao bebé quando está a ser amamentado ao peito.

Para apoiar as futuras e as recentes mamãs a Medela compilou alguma informação acerca do leite materno e da amamentação:

– Composição do Leite materno

– Tipos de mamilos

– Cuidados e higiene dos mamilos

Composição do Leite materno

O leite materno é feito especialmente para o bebé. A composição nutritiva do leite materno é original e combina perfeitamente com as necessidades do bebé. O leite materno atravessa estágios diferentes da amamentação: colostro, leite transaccional e leite maduro.

Colostro

Durante os primeiros dias após o nascimento a mulher produz um leite especial denso, pegajoso e amarelado. A este leite especial chamamos colostro. Este contem anticorpos que promovem o crescimento do bebé e fornecem defesas contra agentes infecciosos.

O colostro tem um efeito laxativo que ajuda o bebé a expulsar as primeiras fezes e a diminuir a probabilidade da icterícia neonatal. Embora em pouca quantidade o colostro é tudo o que seu bebé necessita durante os primeiros dias.

Leite de transição

Durante as duas semanas seguintes, o leite aumenta de quantidade e muda de aparência e composição. As imunoglobulinas e os índices de proteína diminuem visto que os índices de gordura e açúcar aumentam. Neste período, pode sentir os seios mais tensos e pesados. A isso chama-se de ingurgitamento, o que é normal acontecer com a descida do leite. Este mau estar pode e deve ser aliviado amamentando o bebé com frequência.

Leite maduro

O Leite maduro com um aspecto mais aquoso do que o leite de vaca pode às vezes confundir. No entanto, contem todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento saudável do bebé. O leite materno nunca “dilui demasiado”. O leite maduro muda durante o período de amamentação de uma única mamada para servir exactamente as necessidades de um bebé.

Tipos de mamilos

Antes do seu bebé nascer, é útil saber que tipo de mamilo a mãe tem. As mulheres podem ter variações diferentes de mamilos. Estas variações incluem mamilos pequenos, grandes ou longos, lisos ou invertidos.


Os Mamilos Planos ou Invertidos podem dificultar a amamentação. Mas se seguir algumas medidas de preparação poderá amamentar sem dificuldade.

Pode determinar se tem ou não mamilos planos ou invertidos comprimindo delicadamente a aréola, aproximadamente três centímetros atrás do mamilo. Um mamilo invertido inverterá ou retrairá.

Se os seus mamilos forem planos ou invertidos pode usar um formador de mamilo para ajudar a prolongar o mamilo. O formador de mamilo pode ser usado durante a gravidez e/ou após o nascimento. O conselho de um especialista em amamentação ou da enfermeira assistente, é recomendável, se suspeitar ter mamilos planos ou invertidos.

Higiene e cuidado do mamilo

Não é necessário limpar o peito ou mamilo de maneira especial antes ou após alimentar o bebé. Enxaguar o peito com água no banho diário é tudo o que precisa. Deve ser evitada a utilização de sabão ou desinfectante nos mamilos e aréola para não secar a pele, que pode contribuir para o surgimento de mamilos macerados ou gretados.

Durante a gravidez as glândulas de Montgomery que cercam o mamilo começam a segregar um óleo natural que lubrifica a pele e inibe o desenvolvimento de bactérias.

Após a amamentação deve extrair algumas gotas de leite, massajar delicadamente e deixar secar a pele. Pode ainda aplicar uma quantidade reduzida de lanolina purificada (por exemplo: Purelan 100 ) nos mamilos e na aréola. Os soutiens e protectores de seio descartáveis ou laváveis devem permitir a circulação do ar.

Amamentar não significa magoar ou doer. Se for doloroso amamentar procure ajuda junto um especialista em amamentação ou da sua enfermeira assistente. Existem vários factores para ter dor: Mau posicionamento do bebé, má pega, mamilo gretado, infecção mamária,…

Fonte: Medela, Bacelar

O Êxito do Aleitamento Materno

Embora a amamentação seja um acto natural, a técnica é uma habilidade instruída e pode ser necessário tempo e paciência para a mãe e para o bebé.

As seguintes sugestões podem ajudar a evitar alguns problemas durante o período de amamentação. Mas mantenha sempre em mente: Estas sugestões não podem dispensar a ajuda de um profissional de saúde, sempre que surgirem dúvidas ou problemas.

– Posicionar o bebé
– Posição boca / mamilo
– Nutrição
– Controlar o peso do bebé
– Ritmo de amamentação

Posicionar o bebé

Posicionar correctamente o bebé é um elemento chave para uma amamentação bem sucedida. Posicionar o bebé de forma apropriada ajudá-la-á a pegar no mamilo e uma pega correcta permite que o bebé sugue eficazmente e impedindo o surgimento de mamilos gretados e macerados.

A razão principal para os mamilos gretados é a posição incorrecta do bebé no peito! Pode alimentar o seu em diferentes posições.

É importante encontrar uma posição confortável para si e para o bebé. O bebé necessita de acesso livre ao peito. Leve o bebé ao peito e não o peito ao bebé!

Reconhecerá se o seu bebé está bem posicionado quando a garganta está dobrada em linha recta ou ligeiramente para trás e a barriga do bebé contra a sua. A cabeça, o ombro e o corpo do bebé devem estar em linha recta. O bebé deve poder pegar no peito sem ter que se esticar ou torcer.

Posição boca / mamilo

É necessário que o bebé pegue correctamente no peito para evitar danos nos mamilos.

Traga o bebé perto do seu peito e toque-lhe com o mamilo junto da boca. Assim que ele abrir bem a boca, puxe-o rapidamente de encontro ao seio para que o lábio superior e inferior estejam abertos para fora e abarquem a aréola e não apenas o mamilo.

Amamentar ao peito não deve ferir ou causar dor. No início é natural o mamilo ficar um pouco dorido, o que atenua com a continuação de amamentação. No entanto, os mamilos gretados e demasiado macerados não são normais e devem ser vistos por um especialista em aleitamento ou enfermeira assistente.

Nutrição

Embora o período de amamentação seja especial na sua vida, não é necessário comer alimentos especiais e geralmente não é necessário evitar determinados alimentos ou bebidas, à excepção do álcool. Mesmo bebidas com cafeína podem ser consumidas em quantidades limitadas.

Alguns bebés podem reagir quando a mãe come determinados alimentos, mas não significa que seja preciso restringir a dieta. Em todo o caso, observe o seu bebé, você pode evitar esse alimento.

Procure uma dieta equilibrada.

Ainda se tem a ideia de que as mães que amamentam necessitam beber muitos líquidos e bastante leite. Na realidade a mãe deve beber sempre que sente essa necessidade e tal como o faria habitualmente.

Se seguir uma dieta muito especial (por exemplo: macrobiótica ou vegetariana) peça informações precisas de como essa dieta afectará a amamentação e o seu leite.

Controlar o peso do bebé

Muitas mães ficam receosas porque o bebé “não bebe muito leite”. Na maioria dos casos, este medo é infundado. Os profissionais de saúde fornecem algumas dicas que indicam às mães se o seu bebé está a amamentar o suficiente:

– A muda de fralda descartável uma ou duas vezes ao dia, nos primeiros dias, enquanto o bebé mama o colostro.

– A muda de fralda descartável de seis a oito vezes ao dia, a partir do terceiro ou quarto dia.

– O bebé mama frequentemente em média de 6 a 10 vezes num período de 24 horas.

– Os sons do engolir do bebé são audíveis.

– O bebé deve ganhar entre os 120 e 210 gramas por semana, após o quarto dia de vida.

– Um bebé alerta e activo, de aparência saudável, boa cor, pele firme e crescimento cefálico normal.

É importante ter em atenção que nem sempre o choro significa fome.

Ritmo de amamentação

É geralmente melhor alimentar o bebé livremente sem horários rígidos. Na maioria, os bebés saudáveis sabem quando necessitam de se alimentar. Alimente o seu bebé tão frequentemente e como quer, mesmo durante a noite. Quando o seu bebé se torna mais velho e mais maduro a frequência com que amamenta vai diminuindo.

A produção de leite materno ajusta-se a pedido do seu bebé.

Fonte: Medela, Bacelar 

Os Benefícios do Aleitamento Materno


Amamentar é das actividades mais naturais e mais benéficas para a mãe e para o bebé. É o melhor contributo que a mães pode dar para garantir o bom desenvolvimento actual e futuro do seu bebé.

Nenhum leite de fórmula pode substituir as propriedades originais do leite materno. Mesmo com todas as vitaminas, minerais e suplemento adicionados a o que é, na realidade, uma fórmula química.

Leite materno é a única nutrição natural, completa e complexa para os bebés, para além de promover uma ligação excepcional entre a mãe e o bebé.

Vantagens para o bebé

O leite materno contém todas as proteínas, gorduras, lactose, vitaminas, ferro, minerais, água e enzimas nas quantidades exactas requeridas para o crescimento e desenvolvimento óptimo do bebé.

Os bebés alimentados com leite materno são mais saudáveis. O leite materno contém as substâncias que impedem que as bactérias prejudiciais cresçam nos intestinos e causem infecções gastrointestinais e diarreias.

Os bebés alimentados com leite materno têm menos otites, menos infecções respiratórias, um menor risco de desenvolver alergias, cancro da infância, diabetes infantil e obesidade.

Têm ainda um menor risco de síndroma de morte súbita.

O leite materno está livre de bactérias e têm propriedades anti-infecciosas.

O leite materno está à temperatura ideal e não necessita de nenhuma preparação. Está disponível sempre que o bebé precisa.

Os bebés alimentados com leite materno têm uma menor probabilidade de desenvolver na idade adulta a diabetes, doenças cardíacas, eczemas, asma e outras alergias.

Promove o desenvolvimento intelectual e visual.

Leite materno é mais do que apenas um alimento, realça a ligação emocional entre a criança e a mãe e fornece o calor, o amor e a afeição.

Vantagens para a mãe

A amamentação ao peito reduz o sangramento do pós-parto e as possibilidades de anemia.

A amamentação ao peito ajuda a mãe a recuperar a sua figura normal.

A amamentação ao peito atrasa o retorno da fertilidade.

Amamentar diminui a probabilidade de: contrair cancro da mama e dos ovários, e osteoporose.

Amamentar ao peito aumenta a auto confiança da mãe e uma maior interacção com o seu bebé.

Está sempre disponível e conserva a energia, o tempo e o dinheiro.

Os bebés amamentados com leite materno são mais saudáveis, o que se traduz num menor absentismo das mães ao trabalho.

Fonte: Medela, Bacelar