Música pode ajudar desenvolvimento de bebés prematuros

“Os hospitais que empregam a política de passar música para bebés prematuros pode contribuir para o desenvolvimento destas crianças e ajudar os pais, segundo um estudo canadiano da Universidade de Alberta.

[…] «Há provas preliminares que sugerem que a música pode ter outros efeitos benéficos em termos de parâmetros fisiológicos, estados de comportamento e redução da dor durante procedimentos médicos dolorosos», disse o investigador Manoj Kumar. Por outro lado, «estes benefícios precisam de ser confirmados em testes de alta qualidade», lembrou. […]”

Fonte: Diário Digital, 28/05/2009

O número de bebés prematuros aumentou mais de 59 por cento entre 2001 e 2007

«[…] Sandra Antunes, organizadora do primeiro congresso sobre bebés prematuros, [que decorreu a 5 de Junho] em Lisboa, explicou que a taxa de nascimento prematuros aumentou 59,3 por cento entre 2001 e 2007 em Portugal Continental.

Esta organizadora justificou este aumento, por exemplo, com o facto de haver «mães mais hipertensas, partos após os 35 anos, o deslocamento da placenta» e também pelo estilo de vida actual.

«O próprio stress, as gravidezes múltiplas, também as gravidezes na adolescência» são outras das razões apontadas por Sandra Antunes para o surgimento de mais bebés prematuros.»

Link: Arquivo audio da TSF em que Sandra Antunes fala sobre as razões que contribuem para o aumento de bebés prematuros.

Fonte: TSF, 05/06/2009

31 de Maio Dia Mundial sem Tabaco

cartaz_dia_mundial_sem_tabaco

“Não fume na presença de crianças e grávidas. Todos sabemos que fumar prejudica a saúde, mas com frequência esquecemos que ao fumar em locais fechados estamos a prejudicar a saúde dos outros.”

No âmbito do Dia Mundial Sem Tabaco, a Sociedade Portuguesa de Pneumologia lançou uma campanha de sensibilização que tem por objectivo alertar para os malefícios do tabaco e da exposição ao fumo passivo.

«A Dra. Ivone Pascoal, Coordenadora da Comissão de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) explica que “a principal mensagem desta campanha vai para o tabagismo na gravidez e para o perigo do fumo passivo, uma vez que traz graves consequências de saúde para as crianças e grávidas. Infelizmente, em Portugal as mulheres em idade fértil fumam cada vez mais, o que faz com que nasçam bebés prematuros e com baixo peso.
”A intenção não é culpabilizar a grávida mas reforçar a importância de uma gravidez sem tabaco. A mulher deve ser ajudada a parar de fumar, idealmente antes de engravidar. A cessação tabágica deveria fazer parte da preparação para a gravidez e o tabagismo do pai também não deve ser esquecido”, comenta a especialista.»

Fonte: Sociedade Portuguesa de Tabacologia