A nossa montra U2

U2 OCTOBER COIMBRA WE 2 LOVE U2 GRÁVIDA

U2 ONE LOVE U2 MENINOS E MENINAS

MENINOS OUVEM U2U2 360 COIMBRA

U2 LIVE FROM COIMBRAWE 2 LOVE U2 BEBE

Com dois concertos dos U2 aqui ao lado da loja, neste próximo fim-de-semana, não poderíamos deixar de fazer uma montra alusiva aos U2.

Os nossos meninos e as nossas meninas juntaram-se todos e reuniram um conjunto de CD imaginários para saudar a chegada a Coimbra da banda irlandesa.

Indie Babies: O primeiro olhar

A propósito do documentário “Babies”, a Focus Features comissionou a alguns realizadores independentes, que foram pais recentemente, uma série de pequenas curtas-metragens sobre os seus filhos.

O vídeo “The First” é o resultado da contribuição da realizadora Sara St. Martin Lynne. 

Como filmar um bebé?

Neste pequeno vídeo, o realizador do documentário “Babies”, Thomas Balmès, fala sobre os desafios de filmar quatro bebés, em quatro diferentes locais do mundo, durante cerca de dois anos.

Trailer oficial do documentário “BABIES”

image Este é o trailer do documentário Babies que, durante 79 minutos, retrata a vida de 4 bebés (Bayar, Ponijao, Hattie e Mari) em diferentes locais do mundo (Mongólia, Namíbia, São Francisco e Tóquio). 
O filme foca a cultura, as condições e o local em que os bebés crescem. Ao longo do documentário, assiste-se às descobertas que os bebés vão fazendo e aos pequenos grandes milagres que, de um modo ou outro, se dão na vida de todos eles.

Ondas de calor – Recomendações para a população da Direcção Geral de Saúde

«Para a prevenção dos efeitos do calor recomendam-se as seguintes medidas:

– Aumentar a ingestão de água, ou sumos de fruta natural sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede. 
– As pessoas que sofram de doença crónica, ou que estejam a fazer uma dieta com pouco sal,  ou com restrição de líquidos, devem aconselhar-se com o seu médico, ou contactar o Serviço Saúde 24: 808 24 24 24 
– Evitar bebidas alcoólicas e com elevados teores de açúcar.
– Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes, podem não sentir, ou não manifestar sede, pelo que são particularmente vulneráveis – ofereça-lhes água e esteja atento e vigilante.
– Devem fazer-se refeições leves e mais frequentes. São de evitar as refeições pesadas e muito condimentadas.
– Permanecer duas a três horas por dia num ambiente fresco, ou com ar condicionado, pode evitar as consequências nefastas do calor, particularmente no caso de crianças, pessoas idosas ou pessoas com doenças crónicas. Se não dispõe de ar condicionado, visite centros comerciais, cinemas, museus ou outros locais que disponham de ar condicionado. Evite as mudanças bruscas de temperatura. Informe-se sobre a existência de  locais de “abrigo climatizados” perto de si.
– No período de maior calor, tome um duche de água tépida ou fria. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura (um duche gelado, imediatamente depois de se ter apanhado muito calor, pode causar hipotermia, principalmente em pessoas idosas ou em crianças).
– Evite a exposição directa ao sol, em especial entre as 11h e as 16 horas. Sempre que se expuser ao sol, ou andar ao ar livre, use um protector solar, com um índice de protecção elevdo (superior a 30). 
– Sempre que andem ao ar livre, crianças e pessoas de pele clara, devem usar chapéu, de preferência de abas largas e óculos escuros.
Evite a permanência em viaturas expostas ao sol, principalmente nos períodos de maior calor, sobretudo em filas de trânsito e parques de estacionamento. Se não tiver ar condicionado, não feche completamente as janelas; Leve água suficiente ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar, para a viagem, ou pare para os beber. Sempre que possível viaje de noite.
– Nunca deixe crianças, doentes ou pessoas idosas dentro de veículos expostos ao sol. 
– Sempre que possível, diminua os esforços físicos e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados.
– Use roupa solta, de preferência de algodão e em conformidade com a Circular Informativa nº 21/DA/08 de 07/08/2008
– Use menos roupa na cama, sobretudo nos bebés e doentes acamados.
– Evite que o calor entre dentro das habitações. Corra as persianas, ou portadas e mantenha o ar circulante dentro de casa. Abrir janelas durante a noite pode ajudar a diminuir a temperatura dentro de casa
– Não hesite em pedir ajuda a um familiar ou a um vizinho no caso de se sentir mal com o calor.
– Informe-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas, frágeis ou  com dependência que vivam perto de si e ajude-as a protegerem-se do calor.
– As pessoas idosas e os bebés não devem ir à praia nos dias de grande calor. As radiações solares podem provocar queimaduras da pele, mesmo debaixo de um chapéu de sol; a água do mar também reflecte os raios solares e não evita as queimaduras solares das zonas expostas. As queimaduras solares diminuem a capacidade da pele para arrefecer. 
– Evite actividades que exijam esforço físico.»

Nota: sublinhados nossos

Fonte: “Ondas de Calor – Recomendações”, Direcção-Geral de Saúde

Um imperador curioso e uma tempestade eléctrica fundamental

Por vezes o labor do crítico é conduzido com tal apuro que supera em grandeza o próprio objecto criticado. Não sabemos se é este o caso da crítica que abaixo transcrevemos (parcialmente), porque desconhecemos a obra que deu azo a este texto. O que podemos dizer, sem sombra de dúvida, é que estas palavras valem de per si, sintetizando com maestria, em poucos caracteres, descobertas com oito séculos que se reinventam todos os dias. Um mimo!…

«Há cerca de oitocentos anos, o Sacro Império Romano tinha à frente do seu destino o Imperador Frederico II, um homem curioso, com espírito científico e que emprestou o nome a uma Universidade de Nápoles. Se bem que muito ocupado com estratégias e lutas militares e ideológicas, ainda encontrou tempo para se dedicar à investigação científica. Curioso, quis saber que linguagem adquiriria o ser humano se nunca ouvisse falar. Os métodos da investigação foram simples e claros: retirou das famílias uns quantos recém-nascidos e recomendou que se deveria fornecer-lhes apenas o suporte básico da vida: comer, beber e cuidados mínimos de higiene. De resto nada de mais nada. Que aprendeu? Nada do que esperava: as crianças morreram todas. Um crítico da época concluiu que o trabalho do Imperador foi em vão pois ninguém sobrevive sem mimos.

[…] A interacção genes ambiente é dramática, para bem ou para mal. Tecidos e órgãos podem sofrer irremediáveis modificações (o conceito de plasticidade), conduzindo a morbilidade e mortalidade. O neurónio é particularmente plástico. Ao nascer há 100 mil milhões de neurónios e 50 milhões de milhões de sinapses. Depois o número de neurónios pouco aumenta, ao contrário das sinapses que no fim do primeiro mês aumentaram vinte vezes, sendo então mil milhões de milhões. Pura e simplesmente não há genes em número suficiente para controlar tanta evolução que fica, então, à mercê do ambiente que não pode ser tóxico, que deverá ter o melhor suporte energético (leite materno) e assegurar a estimulação mais adequada (o amor de quem é mais crescido). Sempre que se acaricia ou mima de outra qualquer forma um bebé, gera-se uma tempestade eléctrica potenciadora da mais perfeita evolução e aperfeiçoamento neuronais.
O amor é nuclear na relação pais e filhos e deve fluir livremente em ambas as direcções, sem condições nem limites. Da parte da criança é sempre assim, há garantia absoluta. Da parte dos pais nem sempre, ainda que muito raramente, pois aesmagadora maioria ama os filhos e envolve-os em carinho e ternura.»

Fonte: Crítica do pediatra José Manuel Tojal Monteiro ao livro “Seis meses para toda a vida”, de Elisabeth Fodor, María del Carmen García-Castellón e Montserrat Morán. In Acta Pediátrica Portuguesa 2008:39(3):137-8.

Nota: sublinhados nossos.

A série Ozie Boo e a Bébé Confort

os_ozie_boo Criada em 2005, a série de desenhos animados Ozie Boo, conta as histórias de 5 pequenos pinguins que vivem e crescem num mundo de suavidade e doçura.

Solidariedade, coragem, respeito e confiança são alguns dos valores promovidos nesta série especial, onde cada Ozie Boo representa uma personalidade e um carácter específico que permite às crianças valorizar a diferença.

Os Ozie Boo são um grupo de cinco felizes bebés pinguins, quatro meninos e uma menina (Ed, Ted, Ned, Fred e a doce Nelly) que partilham várias situações na vida que têm em comum, de forma divertida e agradável mas também repleta de surpresas.

Os Ozie Boo, cada qual reconhecido pelo seu próprio estilo, temperamento e pelas cores do bico e das asas, são guiados nas suas aventuras pelo seu amigo A Voz, que interage com eles em todas as alturas, em linguagem humana e de pinguim.

Ozie Boo, um novo universo de ternura e diversão para os mais novos partilharem com a família e com os amigos.

A série francesa Ozie Boo será difundida em mais de cem países e é prevísivel que, em 2010, seja lançado um filme.

A série é emitida em Portugal pela RTP e, a partir do dia 2 de Fevereiro, também pelo Canal Panda.

A RTP apoia as suas emissões com um minisite divertido, em que se podem descarregar vários jogos para brincar com os mais pequenos.

No Canal Panda, os mais pequenos são convidados a visitar o “País dos Ozie Boo”, e a conhecer as maravilhosas histórias dos cinco pinguins, todas as manhãs de segunda a sexta-feira, às 10h00 e às 19h30.

A Bébé Confort lançou vários produtos de puericultura leve baseado nestes pequenos e doces pinguins.

 

Canção do Genérico Ozie Boo:

“OLÁ, OLÁ, ENFIM CHEGARAM OS OZIE BOO
VAMOS BRINCAR COM ELES EU E TU
COM MUITAS AVENTURAS, EU ESTOU AQUI
PARA NOS ALEGRAREM A MIM E A TI
CÁ ESTÃO OS TEUS AMIGOS OS OZIE BOO”

http://www.youtube.com/watch?v=EkWtLo9XDu4 

Veja o minisite “Ozie Boo” da RTP: http://ww1.rtp.pt/wportal/sites/tv/ozieboo/
Site oficial: http://www.ozieboo.com

Primeiro banco de leite materno em Portugal abre em breve em Lisboa

«Ainda não há data certa para arrancar – provavelmente no próximo mês -, mas já há mães interessadas em doar leite ao primeiro banco de leite humano em Portugal, que abre em breve na Maternidade Alfredo da Costa.

Os equipamentos necessários para a recolha, análise e conservação do leite estão já instalados e, ontem, arrancou a formação do pessoal médico que vai trabalhar neste projecto: nutricionistas, médicos de pediatria, enfermeiros de pediatria e do espaço amamentação. Jorge Branco, director da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, explicou que o banco de leite humano vai começar a funcionar assim que tenham a certeza de que está tudo em condições. E acredita que não vão faltar dadoras visto que, assim que o projecto começou a ser divulgado, começaram a receber telefonemas de mães interessadas em doar o seu leite.

[…] Para que uma mãe possa ser aceite num banco de leite tem de reunir várias condições. Desde logo, estar a amamentar, não ser fumadora, consumidora de bebidas alcoólicas ou de quaisquer produtos estupefacientes.»

Fonte: Jornal de Notícias

Algarve tem uma das maiores taxas de natalidade graças a mães estrangeiras

«A imigração é uma das principais causas para a taxa de natalidade no Algarve ter sido uma das maiores do país em 2008, informou hoje a Administração Regional de Saúde (ARS) em comunicado de imprensa. “Nasceram [em 2008] na região do Algarve 4.804 crianças, das quais 1.139 são filhas de mãe estrangeira, valores que superam os atingidos em 2007 e colocam o Algarve como uma das regiões portuguesas com maior natalidade”, lê-se no documento enviado à comunicação social.A imigração é assim considerada uma “contribuição para o rejuvenescimento da população da região”, que vem apoiar “o desenvolvimento socioeconómico do Algarve”, refere a ARS.As mães estrangeiras que mais bebés tiveram nos hospitais do Algarve no ano transacto são as brasileiras (365 bebés), logo seguidas das mães ucranianas (150), e as romenas (130).A República da Moldova  foi representada com 100 nascimentos e existem 67 bebés filhos de nacionais do Reino Unido.Angola, Guiné Bissau, Cabo Verde, França e Bulgária são outros dos países de origem das mães estrangeiras que optam em ter bebés no Algarve.»Fonte: ACIDI