Viaje feliz, regresse em segurança

O mundo espera-vos! Pessoas para conhecer, lugares a visitar, aprender coisas novas! Viajar com o seu filho será sempre uma grande aventura, por isso, tenha em atenção alguns conselhos de segurança e, prepare-se para seguir viagem!

viajar Seja uma viagem curta ou de longa distância, passear com o seu filho de automóvel será para ambos um momento muito reconfortante. Para que o faça sem preocupações, terá que se certificar que a segurança é a sua prioridade máxima e que o seu filho esteja feliz e devidamente instalado.

Segurança em primeiro lugar

Escolha sempre uma cadeira-auto de qualidade, produzida por um fabricante credível. E nunca compre uma cadeira em segunda-mão, pois apesar de ter bom aspecto e parecer nova, a cadeira pode estar danificada e o seu uso pode implicar riscos. Para uma máxima segurança escolha uma cadeira-auto com o sistema de Protecção Lateral.

Certifique-se também de que a cadeira-auto que comprou corresponde ao grupo correcto para o seu filho e de que está devidamente instalada. Faça as suas compras nos pontos de venda da marca e peça conselhos ao lojista.

Torne as viagens divertidas

Em viagens de longa distância faça algumas paragens para relaxar, esticar as pernas e respirar ar fresco. Algumas cadeiras auto possuem uma posição de reclinação que permitirá que o seu filho faça algumas sestas.

Quando chegar ao seu destino…

Certifique-se de que leva roupas apropriadas para o seu filho de acordo com as condições climatéricas que irão encontrar. Se estiver quente, leve protecção solar, se estiver neve confirme se conseguirá circular com o seu carrinho de bebé.

Fonte: Bébé Confort

Voar alto – viajar de avião com crianças

Ir de férias é sempre excitante e divertido, especialmente se for a primeira viagem de avião do seu filho. Será uma grande aventura para ambos! E, para que seja uma experiência bem sucedida prepare com antecedência todos os pormenores da viagem.

Viajar de avião será uma experiência extraordinária para o seu filho, que se inicia desde o momento em que chegam ao movimentado aeroporto. Lembre-se que o deve manter sempre perto de si, mas acima de tudo esforce-se para aproveitarem ao máximo a viagem.

Voos amigos das crianças

É uma óptima ideia falar antecipadamente sobre a vossa viagem. O seu filho ficará excitado quando descobrir que vai viajar de avião. Poderá recorrer a livros ou imagens para apreender mais sobre viagens de avião e tornar, com isto, esta experiência mais divertida e educacional! Pode ainda comprar aviões de brincar não se esquecendo de indicar quais os aeroportos pelos quais irá passar.

Será também muito divertido se, antes de viajar, levar o seu filho a visitar um aeroporto. Ele irá ficar fascinado ao ver os aviões a levantarem voo e a aterrarem e habituar-se-á assim a toda a azáfama do aeroporto.

Prepare-se

Será uma óptima ideia se explicar ao seu filho o porquê da diferença de pressão que se sente nos ouvidos, no momento de levantar voo e de aterrar. Os tampões para os ouvidos podem aliviar a pressão e diminuir os casos mais dolorosos. Algumas companhias aéreas já possuem uns kits especiais para crianças. Confirme antecipadamente com a companhia aérea se esta possui estes kits.

Torne a viagem divertida

Em viagens longas certifique-se de que leva consigo alguns brinquedos e jogos para entreter o seu filho durante o voo. À medida que as horas vão passando, vá-lhe dando um brinquedo ou um livro para que tenha sempre algo diferente para fazer; exemplos: lápis de cor, cadernetas de autocolantes, uma boneca, um carro ou… um avião!

Cem Anos do Brinquedo no Museu da Pedra de Cantanhede

“Cem Anos do Brinquedo” é o título da exposição que está patente ao público no Museu da Pedra do Município de Cantanhede até 27 de Maio de 2012.

Resultado de uma parceria estabelecida entre o Município de Cantanhede e o Museu do Brinquedo de Sintra – Fundação Arbués Moreira, os visitantes podem apreciar diversas colecções num total de centenas de peças representativas da história do brinquedo dos últimos cem anos.

A mostra está organizada em oito grandes áreas temáticas (designadamente as bonecas e barbies, comboios, celulóides (liga plástica usada para o fabrico de brinquedos), telefones, automóveis, soldados, aviões e jogos e livros) e integra quadros expositivos que permitem contextualizar os brinquedos a propósito dos conceitos, valores e referências estéticas subjacentes ao modo como as crianças brincavam em diferentes épocas.

Fontes: Campeão das Províncias, 01/03/2012 e CNotícias

Para que tanta pressa?

“A alfabetização é como começar a andar: quando vemos um grupo de crianças andando, você não sabe quem andou primeiro. Ler é o mesmo: uns começaram em março, outros em outubro, outros em novembro. Mas quando todos lêem, você não sabe quem leu primeiro!”

Psicopedagoga Renata Aguillar in Crescer: “Quando seu filho vai ler um livro sozinho”

Hoppop – degrau Monti

 

Monti é um degrau seguro para crianças da Hoppop. Monti tem uma base de borracha anti-derrapante e larga para não escorregar. Permanece fixo, onde quer que a criança coloque os pés.
Monti não é um brinquedo – deve ser utilizado em superfícies planas e sob a supervisão de um adulto.

O calor de Verão torna especialmente perigoso deixar as crianças sozinhas nos carros

A National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) dos EUA alertou, através de comunicado de imprensa de 9 de Junho passado, que o risco de uma lesão grave ou morte durante o tempo quente é agravado para crianças deixadas sozinhas em veículos. Uma nova pesquisa mostra que para as crianças a hipertermia (choque de calor) é a principal causa de mortes em veículos não devidas a uma colisão.

De acordo com Ronald Medford, Administrador da NHTSA, “mesmo com as janelas abertas 5cm, são apenas necessários 10 minutos para que o interior do veículo atinja temperaturas letais num dia quente de Verão”. “As crianças nunca devem ser deixadas sozinhas dentro ou perto de um veículo a motor, nem mesmo para fazer um recado rápido. Muitas coisas podem correr mal num abrir e fechar de olhos.”

Nos Estados Unidos, em cada ano, 262 crianças com idade inferior a 14 anos morrem e 115.000 ficam feridas em incidentes não relacionados com o trânsito em estradas privadas, acessos e estacionamentos, segundo um novo estudo da NHTSA. Destas, 44 mortes e 105.000 feridos são resultado de incidentes sem colisão. Estes incidentes incluem hipertermia, estrangulamento por janelas eléctricas, envenenamento por monóxido de carbono e outros.

Muitas das restantes mortes e ferimentos, em incidentes não relacionados directamente com o trânsito, ocorrem quando o condutor faz marcha atrás sem se aperceber que há uma criança na retaguarda do veículo.

Algumas dicas de segurança da NHTSA para prevenir a hipertermia:

• Nunca deixe uma criança sozinha num veículo.

• Não deixe as crianças a brincar sozinhas num veículo . Ensine-lhes que um veículo não é uma zona de brincadeira.

• Nunca deixe bebés ou crianças num veículo estacionado, mesmo que as janelas estejam parcialmente abertas ou que o motor esteja a funcionar e o ar condicionado esteja ligado.

• Tome por hábito inspeccionar o habitáculo do veículo, à frente e atrás, antes de fechar as portas e se ausentar.

• Coloque a sua bolsa, pasta ou qualquer outra coisa de que necessite no banco da retaguarda de modo a que tenha de olhar para trás antes de sair do carro.

• Bloqueie sempre as portas e a mala do veículo e mantenha as chaves fora do alcance das crianças

• Se vir uma criança sozinha num veículo quente, chame a polícia ou o 112. Sinais de aviso podem incluir: pele vermelha, quente, húmida ou seca, sem transpiração, pulso forte ou fraco, náusea e comportamento estranho.

Fontes:

CONSUMER ADVISORY: Parents and Caregivers Reminded that Summer Heat Makes It Especially Dangerous to Leave Children in Cars”, National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), 9 de Junho de 2009

Not-in-Traffic Surveillance 2007 – Children”, NHTSA’s National Center for Statistics and Analysis, Junho 2009

Ondas de calor – Recomendações para a população da Direcção Geral de Saúde

«Para a prevenção dos efeitos do calor recomendam-se as seguintes medidas:

– Aumentar a ingestão de água, ou sumos de fruta natural sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede. 
– As pessoas que sofram de doença crónica, ou que estejam a fazer uma dieta com pouco sal,  ou com restrição de líquidos, devem aconselhar-se com o seu médico, ou contactar o Serviço Saúde 24: 808 24 24 24 
– Evitar bebidas alcoólicas e com elevados teores de açúcar.
– Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes, podem não sentir, ou não manifestar sede, pelo que são particularmente vulneráveis – ofereça-lhes água e esteja atento e vigilante.
– Devem fazer-se refeições leves e mais frequentes. São de evitar as refeições pesadas e muito condimentadas.
– Permanecer duas a três horas por dia num ambiente fresco, ou com ar condicionado, pode evitar as consequências nefastas do calor, particularmente no caso de crianças, pessoas idosas ou pessoas com doenças crónicas. Se não dispõe de ar condicionado, visite centros comerciais, cinemas, museus ou outros locais que disponham de ar condicionado. Evite as mudanças bruscas de temperatura. Informe-se sobre a existência de  locais de “abrigo climatizados” perto de si.
– No período de maior calor, tome um duche de água tépida ou fria. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura (um duche gelado, imediatamente depois de se ter apanhado muito calor, pode causar hipotermia, principalmente em pessoas idosas ou em crianças).
– Evite a exposição directa ao sol, em especial entre as 11h e as 16 horas. Sempre que se expuser ao sol, ou andar ao ar livre, use um protector solar, com um índice de protecção elevdo (superior a 30). 
– Sempre que andem ao ar livre, crianças e pessoas de pele clara, devem usar chapéu, de preferência de abas largas e óculos escuros.
Evite a permanência em viaturas expostas ao sol, principalmente nos períodos de maior calor, sobretudo em filas de trânsito e parques de estacionamento. Se não tiver ar condicionado, não feche completamente as janelas; Leve água suficiente ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar, para a viagem, ou pare para os beber. Sempre que possível viaje de noite.
– Nunca deixe crianças, doentes ou pessoas idosas dentro de veículos expostos ao sol. 
– Sempre que possível, diminua os esforços físicos e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados.
– Use roupa solta, de preferência de algodão e em conformidade com a Circular Informativa nº 21/DA/08 de 07/08/2008
– Use menos roupa na cama, sobretudo nos bebés e doentes acamados.
– Evite que o calor entre dentro das habitações. Corra as persianas, ou portadas e mantenha o ar circulante dentro de casa. Abrir janelas durante a noite pode ajudar a diminuir a temperatura dentro de casa
– Não hesite em pedir ajuda a um familiar ou a um vizinho no caso de se sentir mal com o calor.
– Informe-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas, frágeis ou  com dependência que vivam perto de si e ajude-as a protegerem-se do calor.
– As pessoas idosas e os bebés não devem ir à praia nos dias de grande calor. As radiações solares podem provocar queimaduras da pele, mesmo debaixo de um chapéu de sol; a água do mar também reflecte os raios solares e não evita as queimaduras solares das zonas expostas. As queimaduras solares diminuem a capacidade da pele para arrefecer. 
– Evite actividades que exijam esforço físico.»

Nota: sublinhados nossos

Fonte: “Ondas de Calor – Recomendações”, Direcção-Geral de Saúde

Portugal e a segurança rodoviária das crianças – Estamos todos de parabéns

«Cerca de 18.500 crianças com idades entre os 0 e os 14 anos morreram nas estradas da União Europeia (27), ao longo dos últimos dez anos. Em 2007 apenas, a vida de mais de 1200 famílias foram desfeitas com a perda de um filho morto no trânsito. Uma em cada dez mortes de crianças é resultado de um acidente rodoviário. Os acidentes rodoviários são também uma das principais causas de invalidez entre as crianças, que podem ter um impacto duradouro sobre o seu crescimento físico psicológico.No entanto, há motivo para ter esperança. O compromisso para evitar mortes nas estradas tem vindo progressivamente a aumentar, juntamente com a consciência da necessidade de reduzir outras causas de lesões nas crianças, e as iniciativas estão a começar a dar frutos. A segurança rodoviária das crianças melhorou consideravelmente em todos os 30 países abrangidos pelo PIN [Road Safety Performance Index] durante a década passada. Portugal conseguiu a melhor média anual de redução, de quase 15%, na mortalidade rodoviária entre as crianças, seguido pela França, Eslovénia e Suíça, com pouco mais de 10% e da Irlanda e da Bélgica, com pouco menos de 10%.»

Fonte: PIN FLASH 12, “Reducing Child Deaths on European Roads”Nota: ênfase nosso