O Puerpério na MAC

A Maternidade Alfredo da Costa (MAC) produziu o vídeo "O Puerpério na MAC", no qual a Dr.ª Guida Gomes (Interna do Internato Complementar de Obstetrícia e Ginecologia da MAC), com a Interpretação em Língua Gestual Portuguesa por Andreia Vieira (Aluna Finalista da Licenciatura Língua Gestual Portuguesa), explica o que as grávidas:

  • Deverão levar nas suas malas para a MAC, para elas e para os seus bebés;

  • Quando deverão dirigir-se à Maternidade;

  • Que documentos são necessários apresentar;

  • O que acontece depois de o bebé nascer;

  • E que papel deverão desempenhar os acompanhantes e visitas.

 

O que as mulheres grávidas precisam de saber acerca do novo vírus da gripe A (H1N1)v

A Direcção-Geral de Saúde publicou um conjunto de recomendações sobre o vírus da Gripe A (H1N1)v no Portal da Saúde. Transcrevemos abaixo as recomendações da DGS para mulheres grávidas:

1. E se eu estiver grávida e contrair esta nova gripe?

As mulheres grávidas têm maior probabilidade de ter complicações graves com a nova gripe A(H1N1)v tal como acontece com a gripe sazonal, mas não há evidência que tenham maior probabilidade de contrair esta infecção.
Saiba que se ficar doente pode fazer o mesmo tratamento que o resto da população.

2. O que posso eu fazer para me proteger a mim, ao meu bebé e família?

Não existe actualmente vacina para esta infecção.
As medidas preventivas são muito importantes.
Siga estes passos para prevenir a propagação de vírus e proteger a sua saúde:

  • Cubra o nariz e a boca com um lenço de papel sempre que tosse, espirra ou alguém o faz perto de si. Deite o lenço no lixo após a utilização;
  • Lave frequentemente as mãos, com água quente e sabão, durante 15 a 20 segundos; especialmente depois de um espirro ou tosse. Se utilizar um gel de lavagem de mãos à base de álcool, não adicione água e espalhe o gel nas mãos até que evapore/seque;
  • Em ambientes muito movimentados, evite tocar nos olhos, nariz e boca, antes de lavar as mãos. O vírus também se propaga deste modo;
  • Se for indicada a sua utilização, use correctamente as máscaras faciais.
  • Evite o contacto com pessoas doentes.

3. Quais os sintomas de gripe A (H1N1)v?
Os sintomas são parecidos com os da gripe sazonal habitual e incluem o seguinte:

  • Febre
  • Tosse
  • Dores de garganta
  • Dores musculares
  • Dores de cabeça
  • Erupção cutânea
  • Arrepios e fadiga
  • Por vezes diarreia e vómitos

4. O que devo fazer se ficar doente?

  • Se teve contacto próximo com alguém infectado com a gripe A, ou que esteja a ser tratado por contacto com o vírus da gripe A(H1N1)v, contacte a Linha “Saúde 24” 808 24 24 24 e esclareça se precisa de tratamento.
  • Se houver casos de gripe A(H1N1)v na sua comunidade preste atenção especial ao seu corpo e ao que está a sentir.
  • Se sentir sintomas ligeiros de gripe, permaneça em casa, limite o contacto com outras pessoas e telefone para a Linha “Saúde 24” 808 24 24 24.

5. Como é tratada esta gripe?

  • Trate a febre. Manter a temperatura dentro dos seus valores habituais é muito importante para o seu bebé. O Paracetamol é o melhor tratamento para a febre durante a gravidez e pode ser tomado 1gr de 8/8horas. Se tiver dúvidas pode ligar para a Linha “Saúde 24” 808 24 24 24.
  • Beba água ou outros líquidos, em abundância para repor os que perdeu por estar com febre.
  • Os medicamentos antivirais como o Tamiflu® (oseltamivir) ou Relenza® (zanamivir) só devem ser utilizados sob prescrição médica. Não estão descritas complicações na grávida ou no feto com a utilização destes fármacos.

Fonte: “Doença pelo novo vírus da gripe A (H1N1)v – Mulheres grávidas ou a amamentar“, Direcção-Geral da Saúde (Portal da Saúde).

Mulheres grávidas devem ter prioridade na vacina contra o H1N1.

«A Organização Mundial da Saúde (OMS)  diz que as mulheres grávidas devem integrar os grupos de risco da gripe A e receber com prioridade a vacina contra o H1N1.

Até que a vacina esteja disponível , o que deverá acontecer em Setembro ou Outubro , todas as grávidas doentes devem ser tratadas com antivirais nas primeiras 48 horas, defende a organização num comunicado divulgado no site da Internet.  De acordo com a nota, o Tamiflu e Relenza devem ser dados a estas mulheres ainda antes de serem conhecidos os resultados dos testes à doença, apesar de alguns especialistas recearem os seus efeitos na gravidez. “Vários estudos” realizados nos EUA e noutros países atingidos pela doença “indicam que as grávidas têm um risco acrescido de serem infectados pelo H1N1”, explicou a porta-voz da OMS, Aphaluck Bhatiasevi.»

Fonte: Diário de Notícias, 01/08/2009

Educar as grávidas para o momento do parto

«“O nascimento de um filho é um momento único que deve ser vivenciado de forma alegre e saudável”. Embora não seja preciso ter experiência para compreender esta expressão… uma ajudinha cai sempre bem.

Estudantes da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) estão a organizar mais um curso de preparação para o parto, em articulação com o Centro de Saúde de S. Martinho do Bispo, onde os discentes realizam o ensino clínico de Enfermagem de Vigilância da Gravidez.

So orientação de Rosa Moreira e da enfermeira especialista Isidora Gomes, as estudantes, enfermeiras a frequentarem o IV Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia, mobilizaram os conhecimentos adquiridos para prepararem os casais (não apenas as grávidas) para o parto e para a parentalidade. […]»

Fonte: Diário As Beiras, 11/06/2009

A gravidez e os desejos bizarros

A Visão de Março traz um artigo com um título apetitoso ou, pelo menos, sugestivo: “Apetece-me comer uma esponja”!

Como se indica no artigo de Raquel Brito, 31% das grávidas admitem ter vontades bizarras. Entre os estranhos apetites e hábitos descritos contam-se os seguintes: mascar esponjas, saborear terra, deglutir pasta de dentes, cheirar lã de ovelha. Os mais misteriosos de todos talvez sejam os que estão associados à síndrome de pica – “ingestão compulsiva de substâncias não nutritivas como barro, giz, cal, sabão e gelo” – que está muitas vezes associado a anemia ou défice nutricional de ferro.

Com o apoio de uma nutricionista, Ana Sofia Rodrigues, é também feita uma análise que pretende explicar os apetites mais usuais das grávidas:

“Chocolate – Rico em vitamina B2, bom para o metabolismo

Carne Vermelha – Rica em ferro, importante para a síntese das células sanguíneas

Gelado – Rico em gordura e cálcio (se for de leite); evitar exageros

Laranja – Rica em vitamina C, poderoso antioxidante e importante na produção de colagénio (proteína existente em tecidos ósseos, pele, tendões, dentes e vasos sanguíneos)

Queijo – Rico em gordura e cálcio; consumir moderadamente.”

Já sabe, se lhe apetecer comer um pedacinho de terra de um vaso no parapeito da janela, ou se a pasta de dentes lhe souber a figo, não está sozinha. Em tom de brincadeira, o melhor será consumir tais ingredientes com moderação! Num tom mais sério, em certos casos será melhor falar com um especialista em saúde materna e obstétrica, pois tal desejo poderá ser um sintoma de um défice nutricional.

Carnaval: Dicas para grávidas

Sobre as coisas do Carnaval nada melhor do que ir directamente aos especialistas da matéria, os brasileiros. Um site brasileiro publicou 7 dicas para as grávidas poderem aproveitar bem a folia do Carnaval, sem se limitarem a ficar a vê-lo pela televisão ou “cairem no samba da avenida”. Publicamos a primeira nota e poderá ler o resto no link abaixo indicado.

«“Para a grávida que não apresenta problemas de saúde, a diversão está liberada, mas com bom senso. É preciso levar em conta o período da gestação. No primeiro trimestre, a folia não é tão cansativa. Muitas mulheres acreditam que nessa fase, a gestação é mais frágil porque é quando acontece a maior parte dos abortos. Mas esta é uma idéia errada. Os abortos espontâneos ocorrem por malformação do feto, não pelos exercícios que as grávidas realizam", diz o ginecologista e obstetra Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Genesis.»

Pode ler o resto das dicas no artigo de Márcia Wirth, “Como a grávida pode aproveitar o Carnaval?”, publicado aqui.

Roteiro de Saúde Materno-Infantil para Imigrantes

“De 19 a 31 de Janeiro, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o ACIDI, I.P. e a Câmara Municipal de Lisboa, em parceria com diversas Juntas de Freguesia, Comunidades Religiosas, Associações de Imigrantes e Organizações de Solidariedade Social, promovem um Roteiro de Saúde Materno-Infantil especialmente dirigido a imigrantes. Se é imigrante, está grávida ou é mãe de família, não perca a oportunidade de receber apoio ao nível da sua saúde. Trata-se de uma acção de promoção da saúde para famílias imigrantes, em particular as crianças e as grávidas, com ou sem situação regularizada. Todos os imigrantes têm direito à saúde em Portugal, qualquer que seja a sua situação. Por isso, se é imigrante ou conhece imigrantes que precisem de acesso à saúde, em especial crianças e grávidas, aproveite os meios que estão colocados à disposição das famílias imigrantes nas últimas duas semanas de Janeiro.Nessas duas semanas, serão criadas duas unidades móveis de rastreio em Lisboa: uma de Saúde Materna no Socorro (junto à Igreja de Nª Srª da Saúde) e outra de Saúde Infantil no Largo dos Anjos.Será também distribuida informação sobre Saúde da Grávida, Saúde na Infância e Acesso aos serviços de saúde».”Fonte: ACIDI