Prémio para Jardim de Infância

A iniciativa que a Bébé Confort Coimbra empreendeu no âmbito da Primeira Semana Mundial das Nações Unidas para a Segurança Rodoviária culminou esta Segunda-feira com a entrega do prémio ao melhor projecto.

Durante uma semana cerca de 150 crianças de vários jardins de infância de Coimbra tiveram sessões sobre prevenção rodoviária. Através da iniciativa “Alerta Global – Vídeos de Segurança Rodoviária de Todo o Mundo” foram mostrados diversos vídeos educativos e campanhas de segurança rodoviária.

As crianças que participaram dos jardins de infância “O Caracol”, “A Casa da Avó”, “O Ninho”, “Infantário da Maternidade Bissaya Barreto” e ”Centro da Sagrada Família”, expuseram os conhecimentos adquiridos, de modo criativo, através de desenhos alusivos ao tema “segurança rodoviária”. Cada jardim de infância elaborou um dossier com os trabalhos dos meninos e os principais conceitos tratados. Os desenhos revelam a atenção dos meninos e as suas principais preocupações: semáforos, passadeiras, cintos de segurança e cadeirinhas.

A Bébé Confort Coimbra premiou o trabalho realizado pela Sala dos 5 anos do Jardim de Infância “O Caracol”, da Casa do Pessoal dos HUC, com um cheque-prenda de € 250,00. Todos os meninos que participaram nesta iniciativa fizeram trabalhos excelentes mas os deste jardim de infância destacaram-se, beneficiando, sem dúvida, do facto de “O Caracol” ter escolhido a prevenção rodoviária como tema principal para este ano lectivo.

As Beiras 02/05/2007

As Beiras 02/05/2007 (pág. 7) As Beiras 02/05/2007 (pág. 6)

Reportagem sobre as iniciativas realizadas no âmbito do evento “Alerta Global – Vídeos de Segurança Rodoviária de Todo o Mundo”.

Uma excelente reportagem de Rosette Marques, com fotografias de Gonçalo Manuel Martins, publicada no suplemento “Escolas” do Diário As Beiras em 02/05/2007.

Idi Amin e a segurança rodoviária

“[…] Seja como for, é importante levar [Idi] Amin para uma questão sem controvérsia.”

“Tipo o quê?”, perguntei eu, enquanto o Lago Vitória expandia a sua cor de esmeralda à nossa direita.

“Cintos de segurança é uma boa questão”, disse ele, “a importância dos cintos de segurança nas estradas de África.”

Foi assim que eu e Paterson acabámos a discutir a política de segurança rodoviária com Idi Amin no jardim da Cidade do Cabo.

[…] e de repente a voz estrondosa de Amin trouxe-me de volta à realidade. […]

“Como sabe, é bem verdade. A Escócia e o Uganda, ambos sofremos centenas de anos de imperialismo inglês. É por esse motivo que conto alargar a Guerra Económica aos interesses britânicos no Uganda. O que é que pensa disso?”

Paterson, no entanto, foi fiel à sua estratégia. “Excelência, como médico eu gostaria de falar sobre os acidentes de viação no Uganda. Creio que seria possível salvar muitas vidas.”

Nessa altura, Amin pousou a sandes de pepino, já meio comida, e levantou-se para se dirigir à assistência. Um gesto ao qual me habituei.

“Não haverá acidentes no novo Uganda. Já está tudo planeado. […] Este continente tem as suas próprias leis.”

“Mas, Sr. Presidente”, apelou Paterson, “a mais importante lei a ser implementada é a de tornar obrigatório o uso dos cintos de segurança no Uganda. Dessa forma, muitas vidas serão salvas.”

Uma onda percorreu a sobrancelha de Amin. “Por que é que insiste nos cintos de segurança? Cada vez que me encontro consigo, Dr. Paterson, você fala-me de cintos de segurança. No Uganda, há problemas mais prementes do que os cintos de segurança.”

Levantou-se da mesa, batendo nela com os joelhos e deixando nos copos o chá gelado a balançar. “É hora de se irem embora. Fiquei irritado com esta conversa dos cintos de segurança.”

[…] “Talvez”, dizia Paterson, no regresso, “os cintos de segurança não tenham sido lá muito boa ideia.”

Giles Foden, “O Último Rei da Escócia” [pp.188-191]. Vila Nova de Famalicão: Editorial Magnólia, 2007

O Primeiro Dia Europeu da Segurança Rodoviária

Filipe Teixeira e Miguel Pedro dão autógrafos aos meninos filipe-teixeira-e-miguel-pedro_2.jpg filipe-teixeira-e-miguel-pedro_3.jpg filipe-teixeira-e-miguel-pedro_4.jpg sic-miguel-pedro.jpg sic-miguel-pedro-1.jpg filipe-teixeira-e-miguel-pedro_5.jpg

Hoje foi um dia diferente de todos os outros. O infantário que tivemos hoje também chegou à loja à hora marcada e os meninos portaram-se espectacularmente bem! Colocaram questões muito diversificadas e reponderam a todas as perguntas postas pela Sandra.

Quando o primeiro vídeo de educação rodoviária terminou, queriam logo ver mais. Mas depois veio um momento de compensação. Os jogadores de futebol da Académica, Filipe Teixeira e Miguel Pedro, explicaram aos meninos que só deviam jogar à bola no recreio ou em espaços próprios e de seguida deram autógrafos e distribuíram prendas.

Tudo isto foi filmado pela SIC, que depois também entrevistou alguns meninos. Passa amanhã no Jornal da Noite da SIC. Os repórteres da SIC ainda se riram com as respostas de alguns miúdos. A certa altura a Sandra perguntou se todos colocavam o cinto quando andavam de carro. Vários começaram a dizer que sim e que até punham eles próprios o cinto, ao que um ergueu a voz e afirmou que ele punha o cinto sozinho mas o pai não! Foi uma risota geral.

Também esteve presente a Senhora Rosa Isabel Cruz em representação do Governo Civil de Coimbra. Elogiou-nos o trabalho efectuado e foi bastante simpática.

Até agora correu tudo muito bem, neste Primeiro Dia Europeu da Segurança Rodoviária.

Sarmento e Gyano em grande forma

Sarmento e Gyano dão presentes aos meninos  Visionamento de filme de educação rodoviária

Hoje a sessão foi muito engraçada e movimentada. Os meninos vinham muito animados porque o tema que estão a debater ao longo do ano é este mesmo – “segurança na estrada”.O alinhamento foi semelhante ao dos outros dias. Viram o filme educativo, responderam às perguntas, verificaram a grande distância que os separa do 1,50m (têm 5/6 anos), sentaram-se na cadeira de apoio e aprenderam a ajustar bem o cinto de segurança.

A diferença hoje foi mesmo a presença do Sarmento e do Gyano da Académica. O divertimento foi geral, as crianças participaram activamente e rejubilaram com as bolas de futebol assinadas pelos dois jogadores (e nossos clientes e amigos).

O Gyano e o Sarmento tiveram uma actuação em campo fantástica. Marcaram muitos pontos de simpatia bem visíveis nos rostos dos meninos. E claro, fomos aproveitando para lhes dizer que só se brinca com a bola em parques e recintos próprios e não na rua.

O momento mais divertido foi quando, logo após a apresentação do Gyano e do Sarmento, dois meninos de cinco anos se levantaram e disseram que também eles eram jogadores de futebol. Mas o momento alto foi, sem margem para dúvida, quando as crianças do infantário cantaram o seu tema sobre segurança na estrada. Foi excelente.

Uma das crianças que esteve de manhã, veio à loja com a mãe ao final do dia. A mãe disse que ela tinha gostado muito e não tinha parado de falar sobre o que vira, desde que a tinha ido recolher ao infantário. Tinha ficado muito impressionada com o spot da Malásia. É um pouco forte, é certo, mas sugere a violência do acidente sem o mostrar de facto. Aparentemente, é bastante eficaz.

Amanhã vai ser o grande dia – o Primeiro Dia Europeu da Segurança Rodoviária. Vamos ter mais um infantário, outros jogadores da Académica, um representante do Governo Civil e mais imprensa.

Estradas do mundo, de Portugal e da Região Centro

Segundo o relatório “Youth and Road Safety” da Organização Mundial de Saúde recentemente publicado, os acidentes de trânsito são uma das principais causas de morte entre os jovens com menos de 25 anos, com mais de mil mortos por dia em todo o mundo. Foi este o motivo pelo qual as Nações Unidas decidiram dedicar a Primeira Semana Mundial de Segurança Rodoviária a este grupo etário.

Os acidentes rodoviários são a principal causa de morte entre os jovens de 15 a 19 anos e estão entre as primeiras causas de morte entre os menores de 25 anos. Apesar de representarem apenas cerca de 10% da população mundial, os jovens correspondem a 27% das vítimas fatais.

As crianças e os jovens adultos são de facto os utilizadores da estrada mais vulneráveis. Mas, tal como indica o slogan adoptado para esta primeira semana, “road safety is no accident” – a sinistralidade rodoviária pode ser evitada, está nas nossas mãos… ao volante!

Em Portugal, a sinistralidade rodoviária também é assaz elevada. Não temos a mesma proporção de mortos na estrada por cada milhão habitantes que tem a Rússia (241 em 2004) mas, ainda assim, é uma das mais elevadas da OCDE (com 124 mortos por cada milhão de habitantes em 2004). A Suécia, por exemplo, “apenas” teve 53 mortos.

Em Portugal, tal como no resto do mundo, os acidentes de viação também continuam a ser uma das principais causas de morte em crianças e jovens. Segundo o relatório “Sinistralidade Rodoviária 2006” do Observatório de Segurança Rodoviária, entre os passageiros, “o maior número de mortos verificou-se nos grupos situados entre os 15 e os 29 anos (41,4%), o de feridos graves entre os 15 e os 24 anos (35,2%) e entre os feridos ligeiros evidenciou-se o grupo das crianças com idade inferior ou igual a 14 anos (16,1%).”

Ao nível da Região Centro, apesar de se ter registado uma diminuição relativamente ao ano anterior, ao longo de 2006 os acidentes de viação causaram a morte a 266 pessoas e resultaram em 949 feridos graves.

No meio de toda esta tragédia ressalta um factor positivo: tem havido uma evolução apreciável no sentido da diminuição da sinistralidade. Comprova-se o slogan: “a segurança rodoviária não é acidental”.

Um dia com mais liberdade

Hoje tivemos meninos muito especiais de uma instituição da cidade. Foram poucos mas bons. Não quer dizer que os dos outros dias não fossem também bons e especiais. Mas os de hoje requerem mais atenção e dão também respostas diferentes. Todos iguais, todos diferentes.

Viram o filme com muita atenção e identificaram os perigos que podem resultar da utilização da estrada.

Como se trata de um evento a nível mundial, temos tido o cuidado de frisar que muitas crianças do mundo inteiro estão também neste momento a aprender coisas sobre segurança rodoviária. Os meninos de hoje eram especialmente atentos aos detalhes e foram os únicos que repararam nos posters das Nações Unidas e os interpretaram de modo correcto. Uma sagacidade apreciável atendendo a que vivem numa instituição.

Julgo que foi um bom de 25 de Abril para eles, um dia com mais liberdade.