Subsídios para a avaliação dos Subsídios de Maternidade

«Cavaco Silva pediu mais políticas de incentivo à natalidade. E Sócrates respondeu há um ano com novos apoios. No primeiro semestre de 2008 as beneficiárias do subsídio por maternidade aumentaram 12% em relação a igual período de 2007. […]

A estatística, publicada na página da internet da Segurança Social, revela também uma diminuição acentuada – e constante desde 2001 – nos pedidos de subsídio por maternidade nas mulheres até aos 29 anos. E uma incidência maior no processamento do apoio nas mulheres entre os 30 e os 49 anos. […]

“As pessoas têm filhos cada vez mais tarde. E poucos arriscam ter mais do que um filho”, assegura Octávio Cunha, director da unidade de cuidados intensivos neonatais e pediátricos do Hospital de Santo António, no Porto. “A maternidade tardia resulta de uma mudança social – a mulher já não é a fada do lar; tem a sua carreira; da terrível pressão que os empregadores exercem sobre quem engravida; do facto de as mulheres continuarem a ter salários mais baixos do que homens em funções idênticas; e da crise económica, que inibe a procriação. Ter um filho implica custos durante quase 30 anos”.

O pediatra não acredita no efeito positivo dos subsídios como incentivo à natalidade. “As famílias estão sobreendividadas e usam esse dinheiro para pagar os empréstimos da casa ou do carro”.»*

*Fonte: Jornal de Notícias, “Subsídios de maternidade aumentam 12% num ano

Mãe da neta, avó da filha – Japonesa de 61 anos dá à luz a própria neta

«Uma mulher de 61 anos tornou-se na japonesa mais velha a dar à luz, depois de servir de mãe de aluguer para a sua filha estéril, noticiou sábado a imprensa nipónica.

A mulher ficou grávida com 60 anos e deu à luz a sua neta aos 61, batendo o recorde anterior de outras duas mulheres japonesas de 60 anos, que foram mães depois de uma doação de óvulos e um processo de fertilização.

O diretor da maternidade de Suwa, Yahiro Netsu, assegurou que a mulher e a criança encontram-se bem de saúde.

Em Abril, o Conselho de Ciência do Japão pediu a proibição de gestações de aluguer e sugeriu que casais e médicos envolvidos neste tipo de procedimentos fossem punidos.

Yahiro Netsu ressalvou que as mães de aluguer são muitas vezes a única esperança para as mulheres estéreis que desejam ter um filho.

O Ministério da Saúde japonês, a Associação japonesa de Obstetrícia e o Conselho de Ginecologia e Ciência do Japão são contra este tipo de procedimentos.»

Fonte: Diário Digital de 24/08/2008

Maternidade Alfredo da Costa fecha

Dando sequência a uma notícia veículada pela rádio TSF – que dava conta que a Maternidade Alfredo da Costa (MAC), de acordo com o seu director clínico Abílio Lacerda, “está absolutamente nos limites e não tem qualquer hipótese de vir a aumentar a sua capacidade de resposta” – o Correio da Manhã indica que a MAC poderá fechar em 2012:

«É o fim da maior maternidade do País. A Alfredo da Costa, unidade-berço da maioria dos lisboetas, vai deixar de existir, transformando-se apenas num serviço de obstetrícia do futuro Hospital de Todos-os-Santos. 2012 é o ano previsto para a mudança, com a entrada em funcionamento do novo hospital em Chelas.»*

Fonte: TSF e *Correio da Manhã