Saber o sexo do bebé às 9 semanas (com 90% de precisão ou 10% de incerteza)

« […] É do senso comum que é preciso esperar até às 20 semanas de gestação para que um casal saiba o sexo do bebé. Tudo está mais simplificado após a entrada no mercado do “IntelliGender”. Este simples, rápido e, aparentemente, eficaz teste, pode determinar ao fim de apenas 9 semanas se os pais terão um menino ou uma menina.

O modo de utilização do IntelliGender, é muito semelhante ao de um vulgar teste de gravidez. A primeira urina do dia, em contacto com os químicos do kit produz resultados ao fim de 10 minutos: se ficar verde ou preto é menino, se ficar laranja ou amarelo é menina.

[…] Os especialistas apontam para uma taxa de precisão na ordem dos 90%. Mas Ted Eaver, chefe do Colégio Real Australiano e Neozelandês de Obstetras e Ginecologistas, argumenta que um teste destes não pode ter o mesmo grau fiabilidade de uma ecografia ou de uma amniocentese.»

Fonte: Jornal de Notícias, 9 de Junho de 2009

Anestesiologia dos HUC distinguida com prémio europeu

“O Serviço de Anestesiologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) foi premiado pela Sociedade Europeia de Anestesia Regional por um trabalho de investigação relacionado com a aplicação da anestesia epidural para o trabalho de parto com o apoio da ecografia. […] A investigação foi dirigida por Edgar Semedo, especialista em anestesia loco regional dirigida por ecografia, e contou com a colaboração dos internos em anestesiologia Tiago Carreiro, Francisco Matos, Margarete Rocha e Ana Eufrásio.

A investigação premiada incidiu na aplicação da anestesia epidural e permitiu calcular a distância da pele e o local onde é colocada a punção. Adaptada a um contexto específico, a equipa de Edgar Semedo veio demonstrar que, com a ajuda da imagem, é possível acabar com os problemas em descobrir o ponto certo para aplicação do cateter, especificamente em pessoas obesas.

[…] Martins Nunes, director do Serviço de Anestesiologia, considera que o prémio da Sociedade Europeia de Anestesia Regional «representa um reconhecimento do meticuloso e exigente trabalho de investigação do nosso serviço. Aumenta a nossa responsabilidade perante a comunidade médica internacional e perante os doentes que nos procuram e que em nós confiam»”

Fonte: Diário de Coimbra (escrito por Patrícia Isabel Silva)