Alimentação em Tempos de Gripe

Manual inclui sugestões sobre aprovisionamento alimentar

«Alimentação em Tempos de Gripe» é o primeiro livro electrónico da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) desenvolvido com o objectivo de disponibilizar à comunidade ferramentas para planear a sua alimentação de forma a fazer face a uma eventual “situação de mudança de rotinas sem alarmismos”. A obra da autoria de docentes da FCNAUP (Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto) foi lançada no dia 17 de Julho e destina-se à população em geral.

    O livro pode ser lido aqui!Algumas dicas:

  • Uma  pessoa bem nutrida estará mais apta, à partida, para aguentar melhor qualquer doença;
  • Como se trata de uma infecção, a alimentação só por si não previne o aparecimento da doença;
  • Consuma alimentos que reforcem as suas defesas: vitaminas e minerais. Ou seja, muita fruta e hortícolas.
  • Mantenha o corpo bem hidratado: água, sumos, chá, tisanas, leite e iogurtes.
  • Se adoecer com gripe e lhe faltar o apetite: coma pouco de cada vez, mas coma mais vezes ao longo do dia;
  • Cuidados a ter: As bebidas e comidas muito quentes fazem com que o doente transpire ainda mais e desidrate mais facilmente.

Fontes:

“Boa alimentação ajuda a curar gripe A”, Diário de Notícias, 01/08/2009

“«Alimentação em Tempos de Gripe”, o 1.º E-Book da FCNAUP»”, Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, 17 de Julho de 2009

Maridos de grávidas também ganham peso (e bebem mais cerveja)

«Uma pesquisa britânica sugere que homens ganham em média 6,3 kg quando suas parceiras ficam grávidas.

O estudo, realizado pela empresa de marketing britânica Onepoll, descobriu que os homens que ganharam peso durante a gravidez das parceiras geralmente tiveram um aumento de cerca de 5 centímetros em suas cinturas.
Cerca de 25% dos 5 mil entrevistados também afirmaram ter comprado novas roupas, devido ao ganho de peso causado pela paternidade.
Um quinto dos pais pesquisados afirmou que só percebeu que tinha ganhado peso quando suas roupas não serviram mais.

Mas 19% deles afirmaram que seus amigos alertaram que eles estavam mais gordos que antes, geralmente com piadas.

[…] Entre os lanches prediletos dos pesquisados durante a gestação das parceiras estavam pizza, chocolate, batata frita e cerveja.

A pesquisa também concluiu que 25% dos homens consomem mais comida para fazer com que as parceiras grávidas se sintam melhores a respeito do próprio ganho de peso durante a gestação.

“A mulher normal ganha quase 13 kg durante a gravidez, e não é totalmente incomum para ela ter desejos por comidas mais gordurosas. Elas precisam de lanches mais regulares”, afirmou um porta-voz da Onepoll.

“As mulheres são estimuladas a consumir 300 calorias a mais por dia, comendo lanches saudáveis, para garantir que as necessidades nutricionais do bebê sejam atendidas.”

“Então, se os armários da cozinha, de repente, estão cheios de lanches e comida, não é de se admirar que os homens fiquem tentados a comer também”, afirmou o porta-voz.

“O único problema parece ser que os homens estão escolhendo lanches como doces e bolos, e não acho que as mulheres possam ser responsabilizadas pelo fato de os maridos beberem mais cerveja.” […]»

Fonte: BBC, 22/05/2009

A gravidez e os desejos bizarros

A Visão de Março traz um artigo com um título apetitoso ou, pelo menos, sugestivo: “Apetece-me comer uma esponja”!

Como se indica no artigo de Raquel Brito, 31% das grávidas admitem ter vontades bizarras. Entre os estranhos apetites e hábitos descritos contam-se os seguintes: mascar esponjas, saborear terra, deglutir pasta de dentes, cheirar lã de ovelha. Os mais misteriosos de todos talvez sejam os que estão associados à síndrome de pica – “ingestão compulsiva de substâncias não nutritivas como barro, giz, cal, sabão e gelo” – que está muitas vezes associado a anemia ou défice nutricional de ferro.

Com o apoio de uma nutricionista, Ana Sofia Rodrigues, é também feita uma análise que pretende explicar os apetites mais usuais das grávidas:

“Chocolate – Rico em vitamina B2, bom para o metabolismo

Carne Vermelha – Rica em ferro, importante para a síntese das células sanguíneas

Gelado – Rico em gordura e cálcio (se for de leite); evitar exageros

Laranja – Rica em vitamina C, poderoso antioxidante e importante na produção de colagénio (proteína existente em tecidos ósseos, pele, tendões, dentes e vasos sanguíneos)

Queijo – Rico em gordura e cálcio; consumir moderadamente.”

Já sabe, se lhe apetecer comer um pedacinho de terra de um vaso no parapeito da janela, ou se a pasta de dentes lhe souber a figo, não está sozinha. Em tom de brincadeira, o melhor será consumir tais ingredientes com moderação! Num tom mais sério, em certos casos será melhor falar com um especialista em saúde materna e obstétrica, pois tal desejo poderá ser um sintoma de um défice nutricional.

O Êxito do Aleitamento Materno

Embora a amamentação seja um acto natural, a técnica é uma habilidade instruída e pode ser necessário tempo e paciência para a mãe e para o bebé.

As seguintes sugestões podem ajudar a evitar alguns problemas durante o período de amamentação. Mas mantenha sempre em mente: Estas sugestões não podem dispensar a ajuda de um profissional de saúde, sempre que surgirem dúvidas ou problemas.

– Posicionar o bebé
– Posição boca / mamilo
– Nutrição
– Controlar o peso do bebé
– Ritmo de amamentação

Posicionar o bebé

Posicionar correctamente o bebé é um elemento chave para uma amamentação bem sucedida. Posicionar o bebé de forma apropriada ajudá-la-á a pegar no mamilo e uma pega correcta permite que o bebé sugue eficazmente e impedindo o surgimento de mamilos gretados e macerados.

A razão principal para os mamilos gretados é a posição incorrecta do bebé no peito! Pode alimentar o seu em diferentes posições.

É importante encontrar uma posição confortável para si e para o bebé. O bebé necessita de acesso livre ao peito. Leve o bebé ao peito e não o peito ao bebé!

Reconhecerá se o seu bebé está bem posicionado quando a garganta está dobrada em linha recta ou ligeiramente para trás e a barriga do bebé contra a sua. A cabeça, o ombro e o corpo do bebé devem estar em linha recta. O bebé deve poder pegar no peito sem ter que se esticar ou torcer.

Posição boca / mamilo

É necessário que o bebé pegue correctamente no peito para evitar danos nos mamilos.

Traga o bebé perto do seu peito e toque-lhe com o mamilo junto da boca. Assim que ele abrir bem a boca, puxe-o rapidamente de encontro ao seio para que o lábio superior e inferior estejam abertos para fora e abarquem a aréola e não apenas o mamilo.

Amamentar ao peito não deve ferir ou causar dor. No início é natural o mamilo ficar um pouco dorido, o que atenua com a continuação de amamentação. No entanto, os mamilos gretados e demasiado macerados não são normais e devem ser vistos por um especialista em aleitamento ou enfermeira assistente.

Nutrição

Embora o período de amamentação seja especial na sua vida, não é necessário comer alimentos especiais e geralmente não é necessário evitar determinados alimentos ou bebidas, à excepção do álcool. Mesmo bebidas com cafeína podem ser consumidas em quantidades limitadas.

Alguns bebés podem reagir quando a mãe come determinados alimentos, mas não significa que seja preciso restringir a dieta. Em todo o caso, observe o seu bebé, você pode evitar esse alimento.

Procure uma dieta equilibrada.

Ainda se tem a ideia de que as mães que amamentam necessitam beber muitos líquidos e bastante leite. Na realidade a mãe deve beber sempre que sente essa necessidade e tal como o faria habitualmente.

Se seguir uma dieta muito especial (por exemplo: macrobiótica ou vegetariana) peça informações precisas de como essa dieta afectará a amamentação e o seu leite.

Controlar o peso do bebé

Muitas mães ficam receosas porque o bebé “não bebe muito leite”. Na maioria dos casos, este medo é infundado. Os profissionais de saúde fornecem algumas dicas que indicam às mães se o seu bebé está a amamentar o suficiente:

– A muda de fralda descartável uma ou duas vezes ao dia, nos primeiros dias, enquanto o bebé mama o colostro.

– A muda de fralda descartável de seis a oito vezes ao dia, a partir do terceiro ou quarto dia.

– O bebé mama frequentemente em média de 6 a 10 vezes num período de 24 horas.

– Os sons do engolir do bebé são audíveis.

– O bebé deve ganhar entre os 120 e 210 gramas por semana, após o quarto dia de vida.

– Um bebé alerta e activo, de aparência saudável, boa cor, pele firme e crescimento cefálico normal.

É importante ter em atenção que nem sempre o choro significa fome.

Ritmo de amamentação

É geralmente melhor alimentar o bebé livremente sem horários rígidos. Na maioria, os bebés saudáveis sabem quando necessitam de se alimentar. Alimente o seu bebé tão frequentemente e como quer, mesmo durante a noite. Quando o seu bebé se torna mais velho e mais maduro a frequência com que amamenta vai diminuindo.

A produção de leite materno ajusta-se a pedido do seu bebé.

Fonte: Medela, Bacelar 

Os Benefícios do Aleitamento Materno


Amamentar é das actividades mais naturais e mais benéficas para a mãe e para o bebé. É o melhor contributo que a mães pode dar para garantir o bom desenvolvimento actual e futuro do seu bebé.

Nenhum leite de fórmula pode substituir as propriedades originais do leite materno. Mesmo com todas as vitaminas, minerais e suplemento adicionados a o que é, na realidade, uma fórmula química.

Leite materno é a única nutrição natural, completa e complexa para os bebés, para além de promover uma ligação excepcional entre a mãe e o bebé.

Vantagens para o bebé

O leite materno contém todas as proteínas, gorduras, lactose, vitaminas, ferro, minerais, água e enzimas nas quantidades exactas requeridas para o crescimento e desenvolvimento óptimo do bebé.

Os bebés alimentados com leite materno são mais saudáveis. O leite materno contém as substâncias que impedem que as bactérias prejudiciais cresçam nos intestinos e causem infecções gastrointestinais e diarreias.

Os bebés alimentados com leite materno têm menos otites, menos infecções respiratórias, um menor risco de desenvolver alergias, cancro da infância, diabetes infantil e obesidade.

Têm ainda um menor risco de síndroma de morte súbita.

O leite materno está livre de bactérias e têm propriedades anti-infecciosas.

O leite materno está à temperatura ideal e não necessita de nenhuma preparação. Está disponível sempre que o bebé precisa.

Os bebés alimentados com leite materno têm uma menor probabilidade de desenvolver na idade adulta a diabetes, doenças cardíacas, eczemas, asma e outras alergias.

Promove o desenvolvimento intelectual e visual.

Leite materno é mais do que apenas um alimento, realça a ligação emocional entre a criança e a mãe e fornece o calor, o amor e a afeição.

Vantagens para a mãe

A amamentação ao peito reduz o sangramento do pós-parto e as possibilidades de anemia.

A amamentação ao peito ajuda a mãe a recuperar a sua figura normal.

A amamentação ao peito atrasa o retorno da fertilidade.

Amamentar diminui a probabilidade de: contrair cancro da mama e dos ovários, e osteoporose.

Amamentar ao peito aumenta a auto confiança da mãe e uma maior interacção com o seu bebé.

Está sempre disponível e conserva a energia, o tempo e o dinheiro.

Os bebés amamentados com leite materno são mais saudáveis, o que se traduz num menor absentismo das mães ao trabalho.

Fonte: Medela, Bacelar

Como ultrapassar as dificuldades da amamentação em situações especiais

Amamentar é uma arte, é algo que a mãe e o bebé tem que aprender. Às vezes este processo de aprendizagem pode ser acompanhado de desafios e problemas que têm de ser resolvidos.
Por vezes pode enfrentar situações especiais. Você ou o seu bebé podem ter complicações médicas podendo dificultar um pouco a amamentação. No entanto, não é necessário parar de amamentar. Directa ou indirectamente o seu bebé deve ser alimentado com o leite materno.

Com o bebé

Se seu bebé tiver fenda do palato e / ou lábio leporino, problemas neurológicos ou sofrer de outros problemas médicos, o seu leite será provavelmente a melhor nutrição disponível. São muito poucas as circunstâncias em que um bebé não pode ser alimentado com leite materno. No entanto essas situações são sempre avaliadas pela equipe médica.

Com a mãe

Muitos povos pensam que se uma mãe for doente, não pode amamentar. Mas isto não é totalmente verdade.

Na maioria dos casos é possível encontrar medicação compatível com a amamentação. Se for necessário interromper temporariamente a amamentação é possível recomeçar a amamentar mesmo após uma ruptura.